Copo de 3: Como provar um vinho I

27 maio 2005

Como provar um vinho I

Muita gente pensa, ai isso de provar um vinho é uma mariquice, eu gosto é de o beber... se faz parte desse grupo por favor não leia este texto pois pode ficar seriamente baralhado.

Para se iniciar neste mundo da prova, é muito fácil, basta comprar uma garrafa de vinho e ter em casa um conjunto de copos, não esses em que está a pensar não servem é melhor daqueles de pé alto e grandes... se quiser pode ir ao Continente e na parte dos copos encontra facilmente, normalmente os melhores e que dão para mais tipo de vinho são os de tulipa fechada, imagine uma tulipa, transforme a flor num copo e pronto são esses mesmo, e por 4 euros até compra dois.

Abre o vinho, serve para o copo, e agora ? O primeiro passo da prova é muito importante, observar o vinho, ver a sua cor, o seu brilho, a sua viscosidade... Apenas com o olhar podemos tirar muitas conclusões, até mesmo ver se o vinho é velho/novo para isso basta observar aquilo a que se chama bordo/unha/anel do copo e verificar a presença ou não da cor tijolo (apenas para os vinhos tintos) a qual indica a evolução de um vinho, se é de clima quente ou frio, pouco ou muito concentrado isso também se pode descobrir apenas com um olhar atento.

Para tal basta pegar no copo já servido e nunca cheio, até menos de metade fica muito bem... pronto, agora agite o copo e observe em contra luz a intensidade do vinho e a sua cor, para ter uma ideia mais concreta pode seguir esta tabela, com a prática vai ver que é bastante fácil...

Resolvi também colocar dois exemplos das principais tonalidades que se costumam referenciar nos vinhos tintos, a tonalidade ruby e a tonalidade granada, que por vezes podem causar algumas confusões:

No primeiro caso a tonalidade é granada e no segundo caso a tonalidade é ruby, podendo obviamente a variação ser mais clara ou mais escura, tendo em conta também a concentração do vinho.

Bem boa sorte e encontramos no ponto dois...

6 comentários:

Anónimo disse...

Excelentes dicas... Obrigado

Anónimo disse...

O deus Baco é sempre uma surpresa.
Aqui está um blog para quem gosta de apreciar as coisas boas da vida. Tinto ou branco e até rosé é bebido conforme o gosto independentemente do momento, da refeição e até por vezes da idade.
Um bom vinho ( de preferência português) sabe bem e reconforta a alma a alma.
Parabéns João Carvalho pelo seu trabalho.

Brites disse...

Excelente Blog!
Sempre gostei de saber escolher e apreciar um bom vinho, pese embora ao segundo cálice já ficar ensonada. Mas, muito sinceramente, acho que a comida bem feita e um bom vinho é do que a vida tem de melhor.
Muito obrigada pelos conselhos que nos dá!
Virei mais vezes.

Anónimo disse...

Parabéns pela informação disponibilizada! :)

Anónimo disse...

Gostei muito.
Diga-me sff: a aprtir do anel laranja como deduzo se o vinho é mais ou menos velho e se é mais ou menos corpulento.
Obdo.
António Santiago.

Copo de 3 disse...

Caro António Santiago

Pelo anel laranja podemos ter uma indicação do estado de evolução do vinho. Ou seja, pela intensidade e pelo seu nível de percepção, quanto maior seja a presença de um rebordo laranja maior o nível de evolução num vinho.

Não tenho noção de poder ter a noção da corpulência de um vinho pela tonalidade do seu rebordo. Talvez se queira referir à densidade da lágrima, o que pode indicar consoante a sua persistência, a quantidade de álcool de um vinho.

 
Powered By Blogger Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-Noncommercial-No Derivative Works 2.5 Portugal License.