Copo de 3: Copo de 3 no 2º Dão e Douro em Lisboa

02 Julho 2005

Copo de 3 no 2º Dão e Douro em Lisboa

Pois é, o 2º Dão e Douro em Lisboa já foi, e desta vez situado no maravilhoso Pestana Palace Hotel, um lugar magnífico... e claro o Copo de 3 esteve presente.
Mas falando deste dia, muito tenho a contar, pois foi cheio de boas surpresas este Encontro.
Encontrei o COV o Núcleo Duro,e pela primeira vez lá encontrei o Zé Tomaz, e que simpatia de pessoa, bem disposto e sempre pronto para mais uma aventura em ir provar este e aquele... amigo Tomaz, o 4 Ventos tem que se lhe diga.
Este ano a sala estava muito melhor, com AC e uma temperatura mais simpática, a simpatia era geral, por parte de provadores e produtores.
Destaque para as duas ilhas de presunto e enchidos que davam um toque bem agradável, tal como as simpáticas senhoras do Cacau, que me fez as delícias em prova com os late harvest e vintage 2003.

Mas falando dos vinho com um pouco mais de atenção:

Comecei com a prova de Brancos:
Quinta das Maias -... inox, mt mineral não gostei muito do final de boca um pouco adstrigente. Foi o vinho que menos gostei dos brancos.

Quinta dos Roques Encruzado 2004 - Boa entrada no nariz com notas da madeira, baunilha, manteiga e tosta, e um final com notas minerais do inox, na boca é um vinho redondo com uma frescura que agradou e com bom final... Bom vinho. Quarto vinho branco da noite.

Gouvyas Reserva 2003 - Boa entrada de nariz, notas florais, mineralidade, vinho equilibrado e fresco... algumas notas de resina no fim de boca. Segundo branco da noite

Quinta do Crasto Branco - Bom nariz, notas de madeira bem ligada com os aromas, fruta tropical, erva, mineral... acidez equilibrada com um toque fresco na boca. Terceiro branco da noite.

Redoma Reserva 2004 - Elegância dentro de um copo de branco, simplesmente o que mais gostei, mineral no ponto, longo final, equilibrado, notas de fruta e flores que vão evoluindo no copo, uma maravilha... Foi o branco da noite.

Tiara 2004 - Tem Riesling... que se nota o pouco que tem. É um vinho fresco e agradável, e muito bem trabalhado, com a presença de uma casta que não é normal aparecer por Portugal... Quinto vinho branco da noite.

Lavradores Feitoria 3 Bagos 2004 - Este ano não vamos ter sauvignon como em 2003, temos este onde também encontramos sauvignon blanc, bem presente o xixi de gato, não gostei muito do final do vinho...Sexto vinho branco da noite

Em reparo aos brancos provados, tenho um estilo mais marcado pela casta Antão Vaz e como tal aos vinhos do Alentejo, o que não impede de gostar de alguns vinhos do Douro e Dão.

Passando aos vinhos que de certa maneira começam a aparecer, vamos ter uma moda nova ?? Sim são os Rosé:

Quinta da Pellada Rose Touriga Nacional 2004- Menos exuberante que o 2003, não muito carregado na côr, no nariz mostrou-se com notas da casta, mas na boca perdeu muito... e como tal penso que é apenas um rosé interessante para o meu gosto.

Passando para os tintos, a oferta era mais que muita, com grandes tentações a chamarem por nós, aqui deixo um pequeno comentário sobre cada um dos provados...

Pape 2003 - Considero este um dos melhores Dão até agora provados pela minha pessoa, a par de uns Touriga Nacional Quinta da Pellada 1999, 2000 e até um PAPE 2002, este acho diferente do 2002, mas não deixa de ser um vinho muito bom, tendo em atenção a região Dão.

Carrossel 2003 - Este vinho está super concentrado, com muita madeira, mas mesmo muita madeira, e fruta em conjunto com a dita madeira. Na boca mostra-se muito agreste, parece que ainda está verde, com os taninos muito vivos e com adstrigência muito marcada. A precisar de descanso e muito.

Meruge Lavradores de Feitoria 2003 - Segundo vinho da noite, sugerido pelo amigo Zé Tomaz, que bela surpresa sim senhor, ficou muito parecido com o Lordelo mas num ponto pequeno. Apesar de tudo não deixou de ser um bom vinho, que me deixou vontade de repetir.
Nota para a boa imagem do conjunto garrafa/rótulo.

Poeira 2004 - Amostra, mais uma entre tantas... esta menos carregada que as restantes, mas estava interessante.
Poeira 2003 - Bastante elegante na prova, melhor na boca que no nariz, penso que o melhor tenha sido o 2001 e que se perdeu muito. Mas apesar de tudo não deixa de ser um bom vinho.
Poeira 2002 - Em nada se compara com um Poeira 2001, bastante diferente, perdeu um pouco a graça e o equilibrio.

Quinta do Vale Meão Touriga Nacional 2004 amostra - Mais uma surpresa, como está em amostra pouco se pode dizer, os aromas muito bem presentes da casta... tem muito boa matéria prima e fruta de grande qualidade... vou esperar por ele.

Kolheita 2002 - Estando ofuscado com o Lordelo e o Meruge... este vinho não conseguiu transmitir uma imagem de grande vinho... a ver pelo preço pedido a coisa também não ajuda muito.

Foi feita esta prova para averiguar a consistência da nova conheita 2002.
Quinta dos 4 Ventos Reserva 2001 - Este para mim é um dos melhores vinhos feitos no ano de 2001, simplesmente maravilhoso em que tudo é muito equilibrado e cheio de finesse... Classe pura que merece uma prova sempre muito atenta, melhorou ainda mais.

Quinta dos 4 Ventos Reserva 2002 - Mudou de garrafa, para uma mais leve e menos grossa, parece que perdeu em termos visuais a imponência que o 2001 tinha... Mas provando este novo 2002 notou-se que a estrutura é muito parecida com o 2001 mas ainda em fase de acabamento... Seguramente não vai ser igual ao 2001 mas vai estar muito próximo. Se a questão de garrafas foi uma questão de promover o vinho, resta saber se o novo vinho segue os mesmo passos.

Quinta dos 4 ventos 2004 - Provado em amostra, muito boa fruta presente no conjunto, seguramente vai sair daqui um bom vinho.

Terras de Tavares Reserva 97 - Mostrou-se fechado de iníco, mas abriu passado um pouco, com a casta Touriga Nacional em destaque, fruta presente, mas não acabou muito bem no final de boca, com alguma secura.

Quinta do Crasto Reserva 2003 - Este vinho achei interessante, na linha dos vinhas velhas... mas não me deu grande alegria em provar. Talvez mereça ser provado melhor em outra altura.

Quinta do Crasto Reserva amostra 2004 - Nota-se o estilo do 2003, talvez o estilo dos Crasto. Ainda temos de esperar por ele.

Quinta Vale da Rapousa Touriga Nacional 2003- Mais macio em prova do que da ultima vez, tem a casta presente, começou a afinar... mas falta tempo. O de 2001 está óptimo.

Quinta da Gaivosa Vinha de Lordelo 2003 - Posso dizer que uma das razões que estive presente foi para provar este Vinho. Provado no último Dão Douro, este pequeno monstro na altura tinha 16,3% mostrava uma côr impressionante, e ainda lhe faltava mais um tempo de madeira e garrafa, mesmo com a garrafa gentilmente oferecida pelo Tiago, que foi aberta no ano passado o vinho mostrou a sua nobre evolução e bem, mas nesta prova simplesmente era outro com a mesma base, tudo nele é enorme, grande prova de nariz, nunca mais acaba, e que prazer cheirar uma e outra vez, apanhando cada vez mais aromas diferentes da sua evolução em copo. De início seria apenas madeira, mas depois passou para a fruta, chocolate, café, tabaco... as vinhas velhas com mais de 80 anos. Estupendo. Na boca os 15% não se notam, está tudo perfeitamente ligado, sem falhas aparentes, com um grande grande final de boca, mas que ainda tem uma pontinha de álcool que se vai com o tempo. Vinho da noite sem mais comentários. Vão ser poucas garrafas, cerca de 2700, com um custo elevado, 50 euros. Como se disse noutro site, e confirmo, o melhor vinho de 2003... e em prova cega vai ser um caso muito sério...
Sinto-me honrado em ter seguido o nascimento de um dos melhores vinhos que provei de Portugal...

Charme 2004 - Amostra de barrica, segue a mesma linha do 2002, pois 2003 não há. Tudo muito em bruto, mas lá no fundo deu para ver que a linha Charme está presente. A elegância mais uma vez volta a aparecer, com os seus aromas finos e ultra bem colocados.

Batuta 2004 - Amostra de barrica, vai ser um belo Batuta, lembrou-me a prova do 2000, mas isso sou eu a dizer. Com a atenção simpática do Enólogo deu para fazer uma mini-prova onde deu para descobrir as diferentes linhas entre Batuta e Charme...

Quinta da Leda 2001 - Com novo desenho de garrafa, eu nao gosto, mas no que toca ao vinho achei mais interessante que os Leda 2000 ou 1999. Sinceramente achei este mais equilibrado em aromas e mais conquistador na boca e no nariz... é tudo uma questão de gostos.

Quinta da Leda 2004 ou talvez não... Este vinho ainda não se sabe o que vai ser, talvez um Leda Especial com muito poucas garrafas, será que a moda Espanhola dos vinhos de Pago vai pegar por cá ?? Nariz ainda muito forte com muita fruta e barrica, boca explosiva, ainda muito álcool, tudo muito em bruto...ficamos à espera.

Passando para uma prova em que se tentou fazer a ligação dos Colheita Tardia com os Chocolates, deu para notar diferenças conforme as concentrações de Cacau... Fantástico.

Quinta da Pellada: Aroma um pouco sumido, que aparece com o tempo, mas fora do normal nestes vinhos, mais floral... gostei mas não é de perder a cabeça, caiu muito bem em prova com os chocolates. Branco e Leite
Casa de Santar - Outono de Santar 2001 - O que mais apreciei, na boca e nariz é muito mais exuberante que o Quinta da Pellada... caiu lindamente com os chocolates. Preto 76% , Leite e Trufas de Chocolate.

Vinho do Porto: Está tudo em força bruta, mas deu para entender que vamos ter vintages muito sérios, palavra dos produtores...
Pintas Vintage 2003 - segundo melhor
Alves Sousa Vintage 2003 - foi o que mais gostei apesar de amostra
Poças Vintage 2003 -terceiro melhor

2 comentários:

Anónimo disse...

voces nao sabem o que e vinho, mt menos o que e o mundo dos vinhos. ja fiz 7 vindimas no douro e digo-vos: VOCES NAO PERCEBEM NADA DISTO!

Anónimo disse...

Quando for para parar de rir avisa...

 
Powered By Blogger Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-Noncommercial-No Derivative Works 2.5 Portugal License.