Copo de 3: Blue Wine

22 Abril 2006

Blue Wine

Foi na passada semana que foi colocado à venda o primeiro número da revista Blue Wine, uma nova revista sobre o mundo do vinho num novo projecto que assim vê a luz do dia.
Com o grafismo habitual que caracteriza a marca Blue, esta Blue Wine mostra-se uma revista com uma abordagem diferente do habitual, com textos cuidados e um ponto forte na qualidade da fotografia.
Neste primeiro número que conta com textos de Jancis Robinson, Charles Metcalfe e Luis Gutiérres, podemos lêr um resumo de um almoço que mais parece uma pré apresentação dos participantes da Blue Wine, onde as suas escolhas pessoais revelam um pouco os gostos pessoais, nova zona com as escolhas do mês onde com uma estética muito apelativa se faz a separação dos vinhos por 3 tipos (Altamente recomendados, Para guardar e Boas compras), uma visita ao produtor alentejano Cortes de Cima, uma revisão dos 250 anos de história do Douro...
Tem uma parte dedicada à gastronomia com análise de Restaurantes onde o objectivo é não a gastronomia mas sim a atenção dada ao vinho nesse estabelecimento, uma parte dedicada ao Queijo e Vinho muito interessante.
No final aparece um Top 100 que ao que parece se vai tornar um quadro dinâmico mudando mês após mês conforme as classificações de novos vinhos provados, de aplaudir a secção denominada Regras Blue Wine onde está tudo ou quase tudo explicado.
Para o final fica a minha opinião como leitor:
Fiquei um pouco assustado quando abri a Blue e dei com a publicidade a um tal creme... ainda voltei atrás a ver a capa da revista pois pensei que me tinha enganado.
Sobre o almoço seria interessante ter incluído uma pequena informação sobre cada um dos vinhos provados.
Alguns artigos aparecem como que perdidos no meio da revista, a Temperatura ganhava mais se fosse tudo seguido e não com uma quebra publicitária pelo meio... o vinho na net aparece um pouco perdido também tal como alguns outros pequenos artigos.
No que toca à casta Antão Vaz... se o objectivo era falar de uma casta faltou o mais fundamental... os descritores da casta, uma foto de um cacho da casta ao lado de uns copos com vinho varietal para que se fique com alguma ideia, tudo em nome de um perfil pedagógico do artigo. E que tal colocarem essa secção em fichas coleccionáveis ?
Na parte da visita ao produtor gostaria de ver os rótulos dos vinhos provados, com o mesmo design das escolhas do mês, penso que para um consumidor é fundamental conhecer os rótulos dos vinhos em prova.
No Top 100 e no que toca a notas atribuídas o tema é já muito debatido em muito lado não vale a pena insistir... sempre com o gosto pessoal do provador a assumir um papel fundamental na nota atribuída, mas penso que por um lado se puxou muito em algumas notas, lembro o 19 e algumas ficaram baixas o que revela surpresa face aos resultados de outras provas, lembro o Cinquentenário da Coop Borba com 14 valores o mesmo que um Chaminé ?? Outro exemplo será o Aragonez da Peceguina que foi considerado como o melhor vinho desta casta numa recente prova e aqui ficou como Médio com um 14 ??
No plano geral é uma revista diferente que espero que vá evoluir nobremente com o tempo, tal como fazem os melhores vinhos, restando-me dar os parabéns e desejar boa sorte.
Depois de lêr melhor a Blue Wine não concordo com o facto de os vinhos com menos de 13 valores não aparecerem... penso que provar um vinho e não colocar o dito fica mal visto aos meus olhos apesar de ser dito como regra do painel. Penso que para bom serviço ao consumidor que se quer informado, o mesmo tem direito a saber quais os vinhos não recomendáveis ou não ?

8 comentários:

Jose Tomaz Mello Breyner disse...

Caro João Pedro

Eu também gostei imenso da revista. Acho que uma revista destas fazia falta no mercado, e apesar de já a ter comigo desde 5ª Feira, ainda a estou a ler pois os artigos são TODOS interessantissimos.

A mim conquistaram-me logo neste 1º numero.

Um abc

ZT

frexou disse...

Concordo com quase todas as tuas palavras.
Acho no entanto que as provas no fim da revista, apesar de serem mais de 150 ( número notável, espero que se repita nas futuras edições), acho que está um pouco elitísta, ou seja, o patamar de preços é muito elevado, assim de cabeça diria que o preço médio supera os 10 euros! Ora todos nós sabemos que em Portugal esse não é o preço médio dos vinhos.

frexou disse...

mas não querendo parecer que apenas desgostei... posso dizer que a degustei com muito prazer!

Está uma revista com um perfil diferente e único.

Bastante atractiva!
O top 100 giratório é um ideia Brilhante!

Jose Tomaz Mello Breyner disse...

Caro Frexou

Ainda bem que gostou, e que foi ao encontro das suas expectativas. Pode dizê-lo também no tópico da Blue Wine nos 5 as 8

Miguel disse...

Gostei do aspecto gráfico, exemplar. Do conteúdo penso que já foram ditos as notas mais importantes, contudo gostava de referir que não gostei de alguma desorganização da revista (pareceu-me), faltou qualquer coisa! E as provas, não gostei do facto de não serem temáticas, baralha um bocado. Serão aleatórias? Cada um prova o que quer?

João Rebelo disse...

A blue wine foi a grande suspresa do ano. Está bem estruturada, os artigos são muito bem escritos, boa image. Consegui lê-la do principio ao fim, coisa que raramente faço numa revista. Estão todos de parabéns, e nós os consumidores e apaixonados de vinho estamos com sorte. Até que enfim temos uma alternativa, e logo deste calibre.

mn disse...

A revista está bonita e as fotos são boas mas dentro de um estilo que depois começa a cansar. Achei o interior um pouco confuso com textos muito longos e com grandes manchas de texto. Acho que não lhes fica bem dizer que são a primeira revista para o consumidor.

TASCA DE BORBA disse...

O Senhor que provou o Cinquentenário compara-o com vinho de talha... não deve fazer ideia do que é um vinho de talha pelos vistos.

 
Powered By Blogger Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-Noncommercial-No Derivative Works 2.5 Portugal License.