Copo de 3: Xisto 2004

29 fevereiro 2008

Xisto 2004

Foi no ano de 2002 que dois amigos, Jorge Roquette da Quinta do Crasto e Jean-Michel Cazes do Château Lynch-Bages, decidiram criar uma empresa, Xisto - Roquette e Cazes, com o objectivo de: “Fazer um grande vinho com as castas do Douro, um vinho que mostre estrutura e complexidade, que possua o poder e o sol de Portugal conjugados com a elegância de Bordéus.”, segundo as palavras de Jean-Michel Cazes no âmbito desta aventura.

Xisto 2004 Castas: Touriga Nacional (60%), Touriga Franca (15%) e Tinta Roriz (25%) - Estágio: 18 meses em barricas de carvalho francês (60% novas e 40% de um ano) - 14% Vol.

Tonalidade granada escuro de concentração alta.
Nariz intenso e a denunciar ao primeiro contacto um vinho pleno de classe e finesse em tudo aquilo que tem para nos mostrar. A fruta jovem e bem madura revela uma qualidade assinalável (amora, cereja) muito acompanhada pela presença de uma barrica bem fina, a lembrar vinhos de outras paragens onde se sente este mesmo trabalho. Os torrados finos e muito elegantes, que a seu tempo lembram um mocaccino recém tirado, com uma sensação de cremosidade que recorda um batido de baunilha. A complexidade que tem permite que a evolução seja notável, o toque refrescante e floral (violetas) surge acompanhado por um cunho resinoso/vegetal assentes em laje xistosa.
Boca conquistadora, de bela arquitectura, onde antes se respirava harmonia agora pode-se dizer que se bebe harmonia. O vinho tem um belo corpo, cheio e vigoroso, mas ao mesmo tempo delicado e elegante. Tem a fruta madura e silvestre sincronizada com toque de cremosidade baunilha, torrado, especiaria e floral/vegetal não muito intenso. Frescura mais que refrescante evitando excessos ou quebras, com final a lembrar xisto molhado, final de persistência média/alta.

Sente-se um vinho algo contido, mas desde já cheio de brilho e encanto na forma como se mostra durante toda a prova. É tempo o que pede e precisa para se mostrar em pleno, valendo a pena guardar algumas garrafas para tal efeito. O preço salvo algum deslize pontual, rondará os 35-40€
17,5

8 comentários:

Pedro Guimaraes disse...

Na tua opiniao, caso tenhas provado o 2003, qual das duas colheitas tem melhor potencial de guarda? No 2004 (ainda nao abri nenhuma) teremos vinhos ate quando?

Abraco
Pedro Guimaraes

Copo de 3 disse...

Caro Pedro

Apenas provei o 2003 por duas ocasiões, e já lá vai o tempo em que tal aconteceu. A recordação que tenho é que o 2003 se mostrou um pouco mais marcado pelo calor do ano, do calor resultou um vinho mais guloso e redondo, talvez a reflectir um Douro que não o original, condicionando a seu termo, o perfil e a maneira de se mostrar do vinho. Não lhe notei por exemplo a acidez que este 2004 tem e que a meu ver lhe vai permitir um maior tempo de guarda.
Abri exactamente esta garrafa para poder avaliar o vinho e como estava de saúde, pelo que penso guardar as restantes por mais 3-4 anos.

Anónimo disse...

Sou um fã deste vinho e como adquiri uma caixa de 2003 tenho acompanhado a sua evolução. Posso pois dizer que, pelo menos o de 2003, está cada vez melhor, o excesso de fruta, não enjoativa, está a dar lugar a uma complexidade cada vez maior...Por alguma razão foi considerado o melhor vinho português em Espanha quando foi lançado e catalogado como vinho de guarda. Não percebo porque é que é tão pouco conhecido aqui em Portugal. Preço Justo
Crítica mt boa, corresponde exactamente.
Cumprimentos
João Freitas

Copo de 3 disse...

De facto o Xisto 2003 foi um caso de amor à primeira vista, e diga-se de passagem que o sucesso foi imediato, desde à sua brilhante passagem pela Vinexpo até ao primeiro lugar na prova de vinhos Portugueses realizada pela revista espanhola Sobremesa.

O vinho é de facto pouco falado ou fica um pouco de lado face a outros vinhos mais badalados. Hoje em dia o consumidor é mais guloso, gosta dos vinhos com doses de super extracção, doces, torrados, cacau...

PAULO SOUSA disse...

O estilo não é o nosso,é um vinho bem feito que em prova cega ninguém diria que é um vinho Português.Não é em todo o caso o meu estilo de vinho,e já agora deixo uma pergunta:Alguém viu por ai o corpo deste Xisto?

Anónimo disse...

O 2003, é, na minha opinião, superior ao 2004.

Em todo o caso, sem desprimor, porque é um vinho excelente, acho este vinho muito "Parkerized", muito dentro do standard hoje em dia considerado como na moda.

Copo de 3 disse...

Sem dúvida alguma um vinho plenamente vocacionado para a ribalta internacional.

Mas é inegável a elevada qualidade que apresenta e o prazer enorme que dá a beber.

dcazores disse...

Fui ontem a um restaurante que aconselho vivamente, "O Gato mia" em São Miguel (Açores). Fiquei deveras impressionado com os vinhos existentes comparando com outras casas de cá. Uma grande variedade e preços muito atractivos.... Xisto 2004 por 32 euros.... Herdade do Perdigão por 29 euros.... Casa Santa Eufémia 2003 por 14 euros....

 
Powered By Blogger Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-Noncommercial-No Derivative Works 2.5 Portugal License.