Copo de 3: Quinta da Murta branco 2008

17 dezembro 2009

Quinta da Murta branco 2008

No seguimento da prova realizada durante a visita à Quinta da Murta (Bucelas), o próximo vinho de que irei falar é o Quinta da Murta branco, do qual tive a oportunidade de provar as colheitas de 2005, 2006, 2007 e 2008, em que apenas irei destacar 0 2008 e o 2005.
Este branco é um 100% Arinto, apenas com passagem por cuba de Inox, que é sem dúvida alguma a melhor maneira de sentir a pureza da casta sem as intromissões da madeira. Na verdade a casta Arinto não é uma casta muito expressiva, embora com elevada acidez e de acentuada mineralidade no seu perfil. É devido à sua alta acidez que muitas vezes a encontramos a fazer parte do lote de muito vinho branco, quer no Ribatejo ou no Alentejo onde faz par muitas das vezes com a Antão Vaz. Mas é em Bucelas que a casta Arinto tem fama e tem proveito, embora os brancos desta região andem meio esquecidos pelos consumidores que se dizem "mais atentos".

Quinta da Murta branco 2008
Castas: 100% Arinto - Estágio: n/t - 12,5% Vol.

Tonalidade amarelo citrino de baixa concentração com retoque esverdeado.

Nariz de perfil fresco, tem a fruta madura bem presente a lembrar citrinos (lima e limão) seguida de vegetal (talos frescos e ripados) e leve floral em fundo marcadamente mineral.

Boca de estrutura média/baixa, mas com acidez que se mostra com vivacidade e cítrica, sentindo-se a fruta fresca e que vai no sentido da prova de nariz. O vegetal marca novamente presença, a servir de acompanhamento à fruta, num vinho de perfil seco e com fundo mineral, em persistência final média.

É um claro exemplo de vinho branco para acompanhar peixe e marisco, servido à temperatura que merece e de preferência durante os tempos mais quentes. Tem a mais valia de que se aguenta bem em garrafa, tem matéria para tal, o que se vai poder constatar com a prova do 2005.
15,5 - 89 pts

Quinta da Murta branco 2005
Castas: 100% Arinto - Estágio: n/t - 12,5% Vol.

Tonalidade amarelo citrino com leve nuance dourada.

Nariz com aroma centrado nos citrinos, vegetal já não tão fresco e com alguns toques secos, sente-se um ligeiro rebuçadinho de limão, desperta certa untuosidade com fruto seco pelo meio e a tal mineralidade que lhe fica tão bem no fundo. Refinou muito ligeiramente com o tempo em garrafa, perdeu em fulgor e mostra agora tudo um pouco mais cansado de estar ali, a fruta começa a perder frescura e ganha leve doçura, entram frutos secos, o vegetal perde frescura... a idade tem destas coisas.

Boca com acidez presente, fruta a mostrar boa frescura com limão e lima, mineralidade sentida, algum arredondamento de conjunto a meio palato. Boa intensidade, final de boca de boa persistência com leve limonado.

Não há duvidas que se aguentou bastante bem com a passagem de 4 anos em garrafa, apesar de se notar já o curvar da idade, mas como na altura da prova se discutiu, a casta não dá para muitas complexidades ou exuberâncias, tem acidez suficiente para evoluir durante algum tempo em garrafa, ganhando algumas nuances e perdendo outras. Um vinho a passar a fase adulta , a dar desde já uma prova bem prazenteira. 15 - 87 pts

3 comentários:

Hugo Mendes disse...

João,
Uma das preocupações é de facto, aumentar a longevidade do vinho, minimizando a evolução oxidativa. É um trabalho demorado, mas divertido! Pelo menos temos a oportunidade de quando em vez, abrir uma série de garrafas de anos diferentes e comparar os resultados!
Abraço!

Copo de 3 disse...

Já sabes que sempre que fores comparar resultados podes contar comigo para anotar os ditos cujos.

Francisco disse...

adoro os rótulos!!!

 
Powered By Blogger Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-Noncommercial-No Derivative Works 2.5 Portugal License.