Copo de 3: Quinta da Murta fermentado em barrica 2003

16 Dezembro 2009

Quinta da Murta fermentado em barrica 2003

Foi a convite do enólogo Hugo Mendes, que visitei recentemente a Quinta da Murta (Bucelas).
A Quinta da Murta é uma propriedade vinícola com 27 hectares, situada a 2,5 km de Bucelas e aproximadamente 20 km a norte de Lisboa. A propriedade possui 14,5 hectares de vinha, implantadas a 250 metros de altitude nas encostas do vale da ribeira do Boição, onde beneficia de solos, exposição e de microclima com características próprias. São constituídas por encepamentos das castas Arinto, Rabo de Ovelha, Touriga Nacional e Syrah, produzindo vinhos brancos DOC Bucelas e tintos Regional da Estremadura. A primeira colheita data de 1994. A Quinta está inserida na Rota dos Vinhos, constituindo também um destino de turismo rural, nas vertentes de provas, vendas de vinho e eventos, oferecendo um enquadramento paisagístico de belo impacto.
Após uma visita bastante animada pelas instalações, sempre acompanhado pelo Hugo Mendes, jovem dinâmico e bastante apaixonado em fazer e mostrar o que faz, que no final da visita tinha já preparada uma prova alargada tanto em referências da casa, como espaçada em várias colheitas. Que melhor maneira de verificar o comportamento de cada marca ao longo do tempo senão esta, e da qual resultaram algumas notas de prova que irei colocar aqui. Agradecer em meu nome e da minha mulher, pela simpatia e atenção prestada. Em jeito de conclusão, no geral pode-se afirmar que o peculiar terroir que ali encontrámos se manifesta tanto nos brancos como nos tintos, notando-se nos brancos um perfil mais seco, fresco, limonado e com ligeira austeridade mineral em fundo, enquanto os tintos mostram uma Touriga Nacional menos expressiva, coesa e de abordagem menos fácil que tantas outras que por aí andam, mas com igual pendente mineral em fundo. São vinhos com identidade bem marcada, à espera de serem conhecidos aqui mesmo ao virar da esquina.

Quinta da Murta fermentado em barrica 2003
Castas: Arinto - Estágio: barricas novas carvalho francês durante 3 meses, com batonage - 12% Vol.

Tonalidade amarelo dourado de média concentração.

Nariz a mostrar aroma com evidentes notas de evolução, toque petrolado ligeiro, envolvente na calda/melado e fruta cristalizada, sensação de untuosidade com frutos secos torrados. Fruta ainda com alguma vivacidade, sente-se frescura, citrinos (limão, lima), flores brancas, tudo muito arranjadinho numa fina complexidade, com toque mineral de fundo.

Boca com acidez bem presente logo na entrada, o vinho tem uma boa sensação de untuosidade que se conjuga com fruta a lembrar limão, floral e fruto seco. Mostra-se de corpo mediano e fresco, fina complexidade e secura, num final longo e marcadamente mineral, estando em plena sintonia com a prova de nariz.

Já tinha tido o prazer de o provar, voltei a encontrar-me com ele e ainda bem. Arriscaria a dizer que é dos melhores exemplares que provei, com idade, da região de Bucelas, um vinho ainda com vivacidade tanto de acidez como da fruta. O tempo fez-lhe maravilhas, lapidou-o e deu-lhe outros encantos que fizeram as minhas delícias durante a prova. Poderia aguentar mais algum tempo em cave, mas é nesta altura que o vou querer aproveitar com um pargo assado no forno. 16 - 90 pts

8 comentários:

Joel de Sousa Carvalho disse...

Ainda existem brancos "velhos" para as curvas...

Copo de 3 disse...

E se existem, ainda recentemente se bebeu um Bageiras Garrafeira Branco 2004 que estava sublime, e um Roques Encruzado 2002 muito interessante.

Miguel Pereira disse...

Cada vez mais gosto de brncos com mais idade. Provaste o Murta Reserva 2005?

Hugo Mendes disse...

Concordo com o Miguel, também eu gosto mais de vinhos brancos com alguma idade (desde que...), especialmente os Bucelas!

Copo de 3 disse...

Miguel provei o Reserva 2005 e se encontrares à venda compra. Já agora uma para mim se não te importares muito.

Hugo, saber esperar sempre foi uma virtude e as boas coisas levam o seu tempo a serem feitas.

Hugo Mendes disse...

Pois então não?
A Vantagem aqui é que podemos comprar os vinhos em novos e guarda-los em casa por um preço baixissimo! Não se esqueças que falamos de vinhos que oscilam entre 3,8 e 12 € P.V.P (e mesmo estes valores mais altos só para os fermentados em madeira!)

Joe Blow disse...

tou a ver que temos o el dorado em bucelas. o hugo mendes descobriu a mina. sacanas dos neo-zelandezes andaram-nos a enganar este tempo todo.

hugo, vestir a camisola é bom... mas convenhamos....................

Hugo Mendes disse...

Joe,
eu não descobri nada! Quando vim para Bucelas já a região existia e tinha já a sua fama (nisso não mudou nada entretanto). Não somos os unicos a operar na região e embora gostemos de inovar, de diferenciar o nosso produto, existem outros com produtos igualmente bons.
Tenho pena que a mente lusa encontre sempre uma galinha melhor no galinheiro da vizinha, mas, isso só nos pode dar alento para trabalhar mais e melhor.
Visto a camisola, sim, mas não invento argumentos. Bucelas, é, de facto uma das melhores regiões do nosso país para brancos, os vinhos aqui produzidos são de facto um valor seguro quanto à capacidade de envelhecimento e, são colocados no mercado a preços baixos.
Não encontro nenhuma razão para me envergonhar dos nossos productos!
Um Abraço!

 
Powered By Blogger Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-Noncommercial-No Derivative Works 2.5 Portugal License.