Copo de 3: Campolargo 2007

04 maio 2010

Campolargo 2007

Na vida tudo muda, tudo se transforma e nada se perde... recordo com boa memória e um sorriso no rosto a primeira vez que provei um Campolargo, colheita de 2002 num blend Pinot Noir (50%) e Baga (50%). Na altura o Copo de 3 estava a começar, eu acostumado a beber vinhos do Alentejo sabia lá o que era um Pinot Noir a "fazer lembrar" a Borgonha... uma Vergonha pois claro, mas para se saber primeiro temos de aprender e foi o que tenho feito e tentado fazer ao longo destes anos que passaram. Aprender com todos aqueles que sabem e mostram gosto em ensinar... e tanto que eu gosto de aprender com eles e estar na sua companhia. Na altura escrevinhei, penso que em 2005, que era um vinho que não tinha entendido muito bem, pouco concentrado de aromas, tímido e com aroma a framboesa e alguma madeira à mistura, com acidez na boca, alguma secura e não era do Alentejo... bruxo.
Pois bem, passaram 5 anos e tenho à frente o Campolargo 2007, um 100% Pinot Noir que deixou de ser um "desentendido" e passou a constar da minha lista pessoal, talvez até como o melhor exemplar desta casta a nascer em Portugal.

Campolargo 2007
Castas: 100% Pinot Noir - Estágio: Barrica de segundo ano e balseiros até 14 meses - 14,5% Vol.

Tonalidade granada de média/baixa intensidade.

Nariz a mostrar boa intensidade, fruto vermelho limpo e bem maduro (framboesa, groselha, morango) com algum rebuçado e notas vegetais em harmonia e delicadeza, chá verde, hortelã-pimenta, mato rasteiro, musgo, tudo bom de cheirar e de se gostar, num todo sempre fresco e com algum floral, violetas à mistura, poucas mas cheirosas com tabaco seco e um leve fumado de fundo. Mostra de forma bem clara a casta de que é feito, sem que a madeira por onde passou marque o vinho com extras supérfluos e maçadores, tudo muito harmonioso e embrulhado numa delicada complexidade, parece uma filigrana de apontamentos com o amparo da madeira que se sente mas passa ao largo.

Boca com corpo delicado mas não franzino, é estruturado e bem fresco, sente-se harmonia e solidez naquilo que tem para mostrar, com a fruta vermelha suculenta (framboesa, groselha e morango) bem madura com fumo e vegetal fresco a conferir alguma secura em segundo plano. Vinho muito limpo tanto de aromas como de sabores, com final fresco e de boa persistência

O que me apetece dizer depois de provar este vinho ? Quero mais, quero ter mais umas garrafinhas em casa e bem à mão para abrir com os amigos e cheirar vezes sem conta. Bebe-se muito bem e deixa-se beber ainda melhor, convida à mesa, gosta de se fazer acompanhar por requintados pitéus e que bem o sabe fazer. O preço até nem é alto, ronda os 20€, para uma produção pequena comparada com grandes volumes e tendo em conta alguns fantásticos barretes que se compram pelo mesmo preço vindos directamente da Borgonha por exemplo. É certamente um produtor a ter debaixo de olho, merecendo lugar de destaque na garrafeira pelo exemplo do bom que se faz em Portugal, eu pelo menos começo a aproximar-me cada vez mais. 17 - 92 pts

7 comentários:

mannel disse...

Joao,intrigante vino, del que pude probar 2005 con un 10% de baga,claro que no estaba en el tipo de los los Borgoña,(pero es que en la peninsula iberica ningun Pinot que yo haya probado admite comparacion) pero me entusiasmo bastante mas que algunos de España,espero el miercoles catar esta añada 100% Pinot y ver la diferencia entre ambas añadas.De Carlos Manuel me gusta casi todo.
Si no te importa quiero hacerte dos consutas vial mail.
Un abrazo

Pedro Sousa P.T. disse...

Amigo João, bebi uma destas, só que de 2002. Já faz um ano mais ou menos, mas ficou-me na memória o factor elegância. E concordo em absoluto com o "com corpo delicado mas não franzino", que apesar de 2002, esteva em plena forma. Também gostei muito.

Abraço.

Anónimo disse...

nao cheira a cavalinho?

João de Carvalho disse...

Anónimo, o único animal que vi a quando da prova deste vinho foi um Pato com laranja tostado no forno... serve ?

Pingus Vinicus disse...

Ehehehehe!

Abílio Neto disse...

JP, essa do pato foi boa! Ando louco com o vinhos da Campolargo, como já te disse, louco... então os 07!

Abr.,

An

PS: Bom Amanhã.

Dirk disse...

bebi o de 2001 ou 2002, foi um dos mais elegantes vinhos que bebi até agora. Ficou na memória...excelente!

 
Powered By Blogger Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-Noncommercial-No Derivative Works 2.5 Portugal License.