Copo de 3: Quinta da Covada Reserva 2008

21 Fevereiro 2011

Quinta da Covada Reserva 2008

Novamente de volta com os vinhos da Quinta da Covada, um produtor que surpreendeu com os seus Reserva, provado o 2007 muito recentemente o vinho mostrou-se num nível muito alto para a região onde nasceu, infelizmente os pequenos produtores não têm a atenção merecida. O vinho que se segue é o Reserva 2008, um vinho que dá uma belíssima prova em todos os aspectos, sem querer da minha parte beliscar por algum instante a imagem cuidada que a garrafa tem, direi que com outro nome no rótulo seria naturalmente mais caro e facilmente reconhecido por todos como um grande vinho, o que mostra que por vezes não é por custar 30€ ou mais que se tem mais qualidade. Aqui temos um nível qualitativo que se situa junto de outros que custam os tais 30€ ou mais, mas disso este Covada Reserva 2008 não tem culpa, sorte a dos que o conhecem e compram. Com enologia de João Lopes Pinto, o vinho é feito com 20% de Touriga Nacional e 80% Vinhas Velhas onde predomina a Tinta Roriz, Touriga Franca e Rufete. Tira apontamentos durante 14 meses em barricas de carvalho francês e sai com 14,5% Vol.

O vinho mostra-se bastante cativante de aromas, de notar que um pouco de tempo no copo ou mesmo uma rápida dupla decantação só lhe fará bem, verter no decanter e voltar novamente a deitar para a garrafa. Mostra desde o inicio finura de trato sem aromas exageradamente ruidosos ou barulhentos, madeira com alguma tosta, baunilha ligeira, um vinho harmonioso, fresco. Fruta preta algo escondida com boa colherada de compota, indica que quer dormir mais em garrafa, folha seca de tabaco, especiaria na pimenta preta, toque de bálsamo vegetal, flores da Nacional e um todo com uma bela complexidade e ao mesmo tempo muito bem embrulhado. Tudo no ponto certo e a mostrar-se muito bem arrumado.

Na boca mostra-se com boa harmonia entre fruta/madeira/acidez, conjunto sólido mas muito amigo da prova, e da mesa, bela passagem de boca apoiada na suculenta fruta com mediana concentração, tudo muito harmonioso, fruta (cereja, frutos negros) com algum toque mais doce, madeira ampara o vinho com os taninos a pedirem mais algum tempo, leve secura na parte final apesar de se beber lindamente neste momento. Final de boa persistência num vinho muito virado para a mesa, diz-se com perfil muito gastronómico.

Dos tintos do Douro que mais prazer me deu a beber nos últimos tempos, uma enorme surpresa, um balão de oxigénio que de uma forma democrática permite a um preço sensato ,15€, colocar este belo vinho na mesa de um leque alargado de apreciadores. É difícil ficar-lhe indiferente e são poucos ou que não o querem voltar a encontrar. É de comprar à caixa para ir bebendo com muito prazer e ao longo dos próximos anos. 17 - 92 pts

1 comentário:

Abílio Neto disse...

JP,

O João Lopes Pinto está de parabéns, repito. E pela colheita 07, já se percebeu que não aqui acasos. É qualidade, é para continuar.

Abr.,

An

PS: A ver como sairá o branco!

 
Powered By Blogger Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-Noncommercial-No Derivative Works 2.5 Portugal License.