Copo de 3: Arrayan Premium 2004

18 Abril 2011

Arrayan Premium 2004


Há um produtor perto de Toledo que faz as minhas delícias nos vinhos que produz, para mim tem alguns dos varietais que se tornaram autênticas referências em Espanha, falo do Domínio de Valdepusa do Marquês de Griñon, com o seu Syrah, o Cabernet Sauvignon e o fantástico Petit Verdot. Faz algum tempo que me contaram que haveria um novo produtor ali perto que se estava a começar a destacar pela qualidade dos seus vinhos, foi desta maneira que numa das minhas caminhadas pelo que de bom vai despontando lá fora, alguns projectos "recentes" vão-me chamando a atenção e um desses raios de sol que me bateu no copo foi o das Bodegas Arrayán na finca "La Verdosa" com os seus 600 ha em que 23 são de vinha, en Santa Cruz del Retamar, Toledo. Este projecto nasce com o empresário José Maria Entrecanales e Maria Marsans na Finca "La Verdosa", convidaram o australiano Richard Smart e em 1999 começou-se com plantação das variedades que habitam nos vinhos desta casa, Cabernet Sauvignon, Merlot, Syrah e Petit Verdot. A primeira colheita seria comercializada no final de 2003 e até aos dias de hoje têm sabido impor-se de forma gradual com uma gama bastante consistente. O Rosado já aqui tinha sido provado na colheita de 200. , os varietais irei apresentar proximamente enquanto agora me foco no que era até pouco tempo o topo de gama desta casa, aqui na colheita de 2004, o Arrayán Premium.
O Premium é um lote das 4 castas tintas reinantes, aqui  com 55% Syrah, 20% Merlot, 15% Cabernet Sauvignon e 10 % Petit Verdot, com um estágio de 15 meses em barricas de carvalho francês mais 18 meses em garrafa antes de sair para o mercado, num preço que ronda os 30€.

Este Premium pertence à D.O. de Méntrida, tem uma bela intensidade no aroma com bastante fruta negra madura com toque doce, quase a babar-se mas com frescura suficiente em todo o conjunto, a complexidade sente-se e recomenda-se tal o prazer que nos dá andar a rodar e rodar o vinho dentro do copo, mostrando com tempo no copo toques de esteva e de bálsamo vegetal seguidos de especiarias, toque de compota pastosa e doce, algum lácteo que não incomoda mas ajuda à complexidade, depois a completar o ramalhete a barrica mostra-se em grande integração e apenas lhe dá notas de algum tabaco, cacau e tosta suave. Um vinho de puro prazer no nariz, em que os pilares são uma fruta fresca, limpa e gulosa mas ao mesmo tempo uma secura vegetal, tudo num conjunto que não se torna pesado em qualquer momento, mesmo os seus 14% mostram boa integração, sociáveis e prestáveis, vinho largo e profundo de aromas com uma boa percepção dos mesmos. Na boca temos frescura e ao mesmo tempo aquela secura vegetal, quase a fazer lembrar um chá preto, com especiaria num todo que se mostra harmonioso mas com garra e bem frutado. Muita cereja, bálsamo e tudo no reencontro do encontrado quando se cheirou... tem aquele toque de licor de ginja, arredondado o suficiente, mas com taninos a pedirem tempo, vai tão bem agora como daqui a um par de anos. Esta é a minha segunda garrafa, a primeira tinha sido aberta num enorme momento de enofília com dois grandes amigos, este por sua vez foi aberto num momento de celebração de uma união... foi um excelente Premium para acompanhar uns bifes de veado com vinagreta de frutos do bosque e batata sauté. 

Um vinho de puro gozo na mesa, em plena forma e um pouco mais domesticado na boca do que no primeiro contacto que tive com ele faz algum tempo. Há aqui claramente uma diferença, uma vontade de ter algo diferente ainda que vocacionado para o consumidor moderno, talvez mesmo um misto em que se mistura alguma rusticidade com a nova maneira de ser dos vinhos dos tempos modernos. O resultado final é amplamente motivador, vinho virado para a partilha, para a mesa e também para a guarda... 17 - 93 pts

Sem comentários:

 
Powered By Blogger Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-Noncommercial-No Derivative Works 2.5 Portugal License.