Copo de 3: Suck my Cork... Wine Spectator

31 Julho 2012

Suck my Cork... Wine Spectator

Quem anda mais embrenhado nisto dos vinhos sabe que há um pouco por cada lado as revistas que ditam as modas vínicas de cada lugar/País. Se por cá esta cantiga já foi chão que deu uvas no que diz respeito a revistas, pessoalmente deixei de as comprar vai para quase 2 anos e não sinto falta, leio calmamente na superfície comercial e muita  das vezes as "novidades" já as conheci ou no meu copo ou nos copos e pingas de outros. Tudo isto para dizer que recentemente saiu uma fornada de notas de prova de vinhos de Portugal da responsabilidade de uma das mais "importantes" revistas do meio a nível global, a Wine Spectator. Esta revista ou chamarei de Eno-pasquim, sediada no mesmo país onde moram "coisas" como a Moodys tem também a apetência natural e pedante de tentar governar o mundo com o que faz, diz e escreve. A sua maior tentativa é com a listinha de final de ano em que elege os melhores vinhos... consequente escalada da procura dos mesmos e dos respectivos preços. Porém as linhas não são direitas e por vezes sabendo-se lá porque motivos as coisas mudam, talvez porque as marionetas provadoras não estejam suficientemente bem preparadas para a nossa realidade, ou até mesmo porque um duvidoso gosto pessoal impera. Relembro que na Wine Spectator nos vinhos de Portugal prova Kim Marcus, relembro também que os vinhos de certas regiões no copo deste senhor nunca foram bafejados com scores à altura das suas qualidades, pergunto porque insistem os produtores dessas regiões em enviar amostras para verem constantemente os vinhos abaixo do registo normal da sua qualidade, registo também que por outro lado Mark Squires também reputado provador e tantas vezes acusado de ser demasiado comedido nas suas notas, consegue com as suas avaliações aproximar-se dos valores normais atribuídos um pouco por todo o lado.

Quem toma atenção às notas, quem prova muitos vinhos e vai reparando nestas coisas não consegue ficar indiferente quando olha para uma lista como esta e repara que por exemplo um Diálogo Niepoort se equipara com 87 pontos a um Pêra Manca tinto ou um Júlio Bastos Alicante Bouschet 2007 que curiosamente ficaram todos abaixo de um Quinta de Cabriz. Ou como é que se atribui os mesmos 90 pontos a um Quinta do Vale Dona Maria 2009 e um Crasto ou Vallado do mesmo ano. Em conversa com um amigo questionava-se que não será estranho que a CARM assim como não quer a coisa deixou de saber fazer bons vinhos ?

Tudo isto cheira mal, parece bater certo apenas para alguns e cheira a manobra de diversão barata. Por outro lado dá a entender que quem prova está encostado à sombra do gosto forçado e pessoal sem que consiga ver mais além. Numa altura em que se depende cada vez mais das exportações ou quando as mesmas têm um peso significativo nas economias de um produtor,  não se pode ficar quieto quando se olha e vê que "alguns" vinhos mais parece que foram provados de rajada como que atirados para um campo e massacrados ao som da metralha.Nos dias de hoje temos mais qualidade nos vinhos do que a lista quer mostrar, a realidade dos nossos vinhos está muito longe da realidade que Kim Marcus quer dar a entender... vou por isso estar  atento às notas do Mark Squires.

6 comentários:

Baruki disse...

Olá João Pedro,

Realmente esse sistema de medida do vinho é uma piada(anedota)... nunca acreditei nele!

Para mim o vinho de 100 pontos é aquele que você toma junto com o produtor ou pelo menos em sua região(sítio) onde é produzido jundo com sua comida típica!
Tenho um carinho muito grande por Portugal e em um futuro próximo quero passar minhas férias de 30 dias percorrendo esse querido país e descobrindo cada região e suas peculiaridades.

Grande abraço,

Raphael Baruki.

João Pedro Carvalho disse...

Gostei dessa sua abordagem, na realidade eu acho que os vinhos são sempre pensados com a barriga... nascem em cada zona a ser pensados para acompanhar os pratos da região.

Se quiser alguma ajuda quando por cá vier, diga depois qualquer coisa.

Abraço

Kroniketas disse...

Já não é o Robert Parker a mandar na moda dos vinhos? Ou será que o "diktat" americano nessa matéria também já foi chão que deu uvas?

Kroniketas disse...

Estamos a reorganizar o nosso blog no novo endereço e a refazer as ligações para os nossos congéneres. Já colocámos este. Dá uma espreitadela.
Saudações enófilas.

João Pedro Carvalho disse...

Viva, já actualizei...obrigado e bem vindos de novo.

Anónimo disse...

O problema parece-me ser que inevitavelmente, dada a relação quantidade de vinos vs. tempo disponível, a maior parte desses provadores prova os vinhos à pressa. E ao fim de 40 ou 50 vinhos num par de horas já sabe tudo ao mesmo.

Np final, devem ficar umas impressões gerais, o gosto pessoal e meia dúzia de vinhos que realmente impressionam. O resto é tudo corrido à mesma bitola.

Artur Hermenegildo

 
Powered By Blogger Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-Noncommercial-No Derivative Works 2.5 Portugal License.