Copo de 3: Novembro 2014

22 novembro 2014

Adega Regional de Colares

Entre a Serra de Sintra e o Oceano Atlântico, a 25km a Noroeste de Lisboa, situa-se uma pequena zona vitícola muito antiga com produção a remontar ao ano de 1255, aquela que é a Região Demarcada (desde 1908) mais ocidental da Europa e a mais pequena região produtora de vinhos tranquilos de Portugal.
Blend_All_About_Wine_Colares_1 O Tesouro de Colares O Tesouro de Colares Blend All About Wine Colares 1
Sala dos Tonéis © Blend All About Wine, Lda.
A história do vinho de Colares é longa e perde-se nas páginas do tempo, os seus vinhos ainda hoje fazem parte das memórias dos seus apreciadores e são alvo de procura pelos mais dedicados e curiosos. Na verdade a região perdeu-se no turbilhão da era moderna, o comboio da novidade, caiu no esquecimento com o respectivo abandono progressivo da actividade por parte das gentes locais contribuindo isso em muito para que a quantidade de vinha que existia fosse desaparecendo.
O mais importante produtor da região, até pelo poder de certificar os vinhos DOC Colares, é a Adega Regional de Colares, que após receber as uvas vê os mostos serem posteriormente vendidos em bruto e trabalhados nas respectivas adegas dos associados como é caso a Adega Viúva Gomes. A Adega Regional de Colares foi fundada em 1931, reúne mais de 50% da produção da região e mais de 90% dos produtores da mesma.
Hoje em dia, passo a passo a região começa a despertar por resultado do esforço e dedicação de alguns produtores, para além da Adega Regional o principal centro de vinificação da região ainda se juntam mais dois novos produtores, a Fundação Oriente e o Casal Sta. Maria.
Parte desse esforço, dessa saudável teimosia de revigorar a imagem e qualidade dos vinhos da região tem um rosto, o enólogo Francisco Figueiredo (Adega Regional de Colares). Mostrando um brilho no olhar quando nos fala da região, dos seus vinhos e em especial da casta Ramisco, aquela que tanto gosto e defende. Foi toda uma manhã que apesar de ter começado chuvosa, se dedicou a explorar a região, os vinhos e as vinhas.
Blend_All_About_Wine_Colares_2 O Tesouro de Colares O Tesouro de Colares Blend All About Wine Colares 2
Francisco Figueiredo © Blend All About Wine, Lda.
Focando apenas nas vinhas de chão de areia, cujas vinhas pré-filoxéricas evidenciam os contornos do tempo, tivemos a sorte e privilégio de assistir à vindima (foto abaixo) sendo bem visível quer as barreiras em cana que protegem as vinhas dos ventos e da maresia, como nas macieiras anãs de Maçã Reineta de Colares, tradicionais companheiras das vinhas de Colares.
A proximidade ao mar tem enorme influência nos vinhos: frescura, mineralidade, toque salgado com algum iodo fazem parte dessa diferenciação tão própria da região. Um património tão rico e único, com uma forte componente tradicional a ele associada.
Blend_All_About_Wine_Colares_3 O Tesouro de Colares O Tesouro de Colares Blend All About Wine Colares 3
As vinhas de Colares © Blend All About Wine, Lda.
Enquanto a Malvasia Fina reina nos brancos de Colares, domina os vinhos pela salinidade, muita frescura num perfil quase sempre tenso enquanto novo, com uma evolução muito positiva que nos envolve com aromas de tisana, lápis de cera e rebuçado, vinhos que são a companhia perfeita para acompanhar pratos de peixe e marisco.
Nos tintos brilha a casta Ramisco, os vinhos a que ali dá origem destacam-se pela tonalidade aberta, pouco concentrados e nos melhores exemplares com longevidade assegurada. Vinhos de enorme elegância, muita harmonia com toque iodado a despertar nos mais longevos, enquanto novos mostram uma frescura muito boa, fruta viva e muito limpa com carga vegetal vincada numa estrutura assente em taninos que lhe garantem boa evolução.
Bastante interessante o poder comparar a evolução após respectiva prova directamente da barrica do Ramisco 2011 (o mais aguerrido com carga vegetal e secura vincada) e 2008 (uma delícia de vinho a mostrar uma grande evolução no copo, fruta muito saborosa e fresca com boa estrutura e taninos ligeiramente domesticados) e o já engarrafado 2006 (mais pronto, no entanto também mais polido e delicado que o anterior).
Arenae Malvasia Fina branco/white 2011
Um branco ainda muito novo, tenso, marcado pela mineralidade, toque salgado, muito citrino, algum lápis de cera com a tisana a surgir em fundo. Boca com muito boa acidez, boa definição num vinho com traço mineral e fim quase salgado, longo e bonito final. Perfeito a acompanhar umas Ameijoas à Bulhão Pato.
Blend_All_About_Wine_Colares_4 O Tesouro de Colares O Tesouro de Colares Blend All About Wine Colares 4
Arenae Ramisco Red 2006 © Blend All About Wine, Lda.
Arenae Ramisco tinto/red 2006
Muito limpo no aroma a fruta vermelha (morango, framboesa, mirtilo), toque vegetal fresco a conferir ligeira austeridade ao conjunto, boa complexidade e profundidade. Especiaria, fundo bem fresco que nos guia durante a prova, palato cheio de sabor com secura no fundo. Fantástico a acompanhar uns bons nacos de novilho no carvão.

21 novembro 2014

Quinta dos Poços Reserva 2012


Novo Quinta dos Poços Reserva agora 2012, 12 meses em madeira com lote composto por Touriga Nacional, Tinta Roriz e Touriga Franca. Preço a rondar os 8€ num vinho proveniente do Douro, a mostrar-se bastante novo, com uma boa dose de auteridade que se destaca durante a prova. Nariz marcado pela fruta do bosque bem madura, recordações de esteva, café torrado, um vinho de bom recorte com frescura assente em estrutura média a pedir pratos de algum tempero. Pouco ou nada opulento, nada extraído, muito nervo com taninos a dar secura no final de boca com final persistente. Boa companhia para uma tradicional feijoada, uns pontos abaixo de colheitas anteriores. 89 pts

18 novembro 2014

Quinta do Javali SC 2012



Este vinho nasceu de um desafio lançado ao produtor por um amigo e ao mesmo tempo responsável pela sua distribuição em Portugal. O desafio foi aceite e o resultado é um vinho que nos dá uma prova de grande categoria, à semelhança de outros de perfil similar que encontramos em regiões lá fora. Não tão selvagem como o Javali Vinhas Velhas aqui tudo está mais macio e delicado sem que por um momento deixe de lado a energia característica dos Javali, conquista pela finesse que já mostra começar a ter, boa complexidade e harmonia entre poder/fruta/acidez que nos mostra ao longo de toda a prova. O que mais chama a atenção é o delicado e bonito perfume floral ao lado de groselhas e framboesas muito frescas e limpas, muito boa a definição de todos os aromas em versão mostruário. A barrica por onde passou arredonda os cantos com toque fumado e baunilha. Na boca mostra energia que domina todo o conjunto, grande harmonia com enorme presença no palato, denso com final muito longo. Um vinho de puro deleite para beber agora ou nos próximos 20 anos, o único senão o preço a debitar nos cerca de 250€ o que não impede de estar quase esgotado. 96 pts

17 novembro 2014

Alvear Pedro Ximenez de Añada 2011

O que acontece quando acabamos de beber um vinho com 100 pontos atribuídos por um reputado crítico internacional ? Não acontece nada, por vezes ficamos com a sensação do "só isto?" e parece que no copo falta sempre algo mais, neste caso não lhe vi nada que justificasse tamanha proeza aclamada como a dita perfeição. Independentemente dos pontos que tenha tido aqui ou ali o vinho em causa sempre foi excelente mesmo naquelas colheitas menos pontuadas. Umas mais equilibradas que outras mas sempre com aquela dose massiva de açúcar que sempre se torna dona e senhora de toda a prova. Neste caso o factor "vinho 100 pontos" viu o preço aumentar dos normais 10€ para cerca dos 25€. É vinho para quem gosta de emoções fortes, para quem gosta de apanhar o boi pelos cornos, é um colosso de tal maneira violento e com uma densidade no palato que varre no imediato a quase totalidade dos vinhos fortificados que surjam ao lado dele. Como se não bastasse ainda nos invoca toda uma complexidade que desenvolve no copo, envolta em grande frescura. Destaque para a frescura que o embrulha e dá longa vida a toda a fruta em passa (ameixa, figo), mel, tâmara, rosmaninho, laranja amarga, avelã... o resultado é uma noite inteira de roda do copo. 96 pts

07 novembro 2014

Dona Maria Rosé 2013


A cada ano que passa este Dona Maria Rosé mostra-se mais afinado e sério, com uma invejável capacidade de proporcionar prazer. Sem cansar está marcado pela delicadeza dos aromas frutados e florais com uma frescura que o envolve, o vinho sabe bem, apetece beber um e outro copo, os seus 12,5% ajudam à festa. Tem a estrutura suficientemente para lhe proporcionar uma satisfatória evolução na garrafa, embora nesta fase seja uma verdadeira tentação com a fruta suculenta a dançar no palato, preço a rondar os 8,5€. Um dos vinhos que faço questão de ter aqui por casa, neste caso companheiro à altura de uma caldeirada de lulas. 93pts 

05 novembro 2014

Adega Mãe

O projecto Adega Mãe é fruto da mais recente aposta do Grupo Ribeiralves, reconhecido pelo comércio e transformação do bacalhau, agora no sector do vinho após compra de uma quinta perto de Torres Vedras. Nos 45 hectares da propriedade, por entre olival e pomares reinam os 35 hectares de vinha divididos entre encepamentos tintos (Aragonez, Caladoc, Alicante Bouschet e Syrah) e brancos (Chardonnay, Sauvignon Blanc, Arinto, Viosinho, Viognier, Riesling e Alvarinho).
Blend_All_About_Wine_Adega_Mae_1 Adega Mãe Adega Mãe Blend All About Wine Adega Mae 1
Adega Mãe © Blend All About Wine, Lda.
A primeira vindima foi em 2010, apenas se produziram tintos, num projecto onde o principal objectivo é fazer o melhor possível para que sejam vendidos a um preço médio baixo. E como o Grupo Ribeiralves e Bacalhau andam de mãos dadas, surge a homenagem à pequena e ágil embarcação com pouco mais de cinco metros de comprido, que partindo dos bacalhoeiros apenas regressavam com o seu interior repleto de pescado. A esta típica embarcação os Ingleses chamavam de Dory, o nome que surge para baptizar os principais vinhos da Adega Mãe.
Blend_All_About_Wine_Adega_Mae_2 Adega Mãe Adega Mãe Blend All About Wine Adega Mae 2
Loja Adega Mãe © Blend All About Wine, Lda.
A adega é muito bonita e encontra-se bem enquadrada com a paisagem, destaque para a belíssima vista panorâmica que se tem desde a varanda principal. Tudo pensado ao detalhe com uma foste aposta no enoturismo, desde a loja às inúmeras ofertas que vão desde visitas, provas, harmonizações…
Blend_All_About_Wine_Adega_Mae_3 Adega Mãe Adega Mãe Blend All About Wine Adega Mae 3
Vinhos Provados © Blend All About Wine, Lda.
Adega Mãe Viosinho 2013
Mostra uma boa frescura, com muitos citrinos, pêssego, toque fumado no fundo. Boca de estrutura mediana, boa frescura, presença da fruta com toque salino no fundo.
Adega Mãe Chardonnay 2013
Conjunto fresco que junta lado a lado a fruta (citrinos) muito madura e fresca com toques amanteigado (8 meses em barrica, com batonnage), harmonia em conjunto fácil de gostar. O peso da fruta que tem é equilibrado pela frescura, num conjunto elegante.
Dory Reserva tinto 2011
Lote de Touriga Nacional (25%), Syrah (50%) e Cabernet Sauvignon (25%), terroso e especiado com muita fruta madura (bagas, amora, mirtilo), toque balsâmico com chocolate, intenso e cheio de energia. Na boca estrutura firme, ligeira rusticidade com taninos firmes, fruta gorda e saborosa pelo meio em final seco e prolongado.
 
Powered By Blogger Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-Noncommercial-No Derivative Works 2.5 Portugal License.