Copo de 3: Sem eira nem beira... os 2 piores vinhos provados de 2010.

09 janeiro 2011

Sem eira nem beira... os 2 piores vinhos provados de 2010.

Os tempos dizem que são de crise, embora as notícias da TV só falem de milhões a entrarem e a saírem de bancos com nome duvidoso e de alguns bolsos bem forrados que por lá vão passando. Dá que pensar quando afirmam que os gestores portugueses são dos mais bem pagos e depois Portugal está enfiado na crise até às orelhas...
A pensar nessa maioria que vive diariamente com o monstro da "crise" e que conta os cêntimos até ao final do mês, alguns produtores de vinho tentaram contornar o problema de ficarem com ainda mais vinho preso na adega e lançaram mãos à obra criando os vinhos "low cost", depois de termos Restaurantes a praticarem refeições "low cost" agora veio a vez dos produtores de vinho. Um desses exemplos é a José Maria da Fonseca, casa que não precisa de apresentações e que lançou no ano passado dois vinhos de nome JMF em versão tinto e branco com preço de propaganda a fincar pé no 1.99€.
Decidi perder a cabeça e entrar na onda consumista e comprei os dois exemplares, as minhas expectativas eram as suficientes para pelo menos esperar algo de que gostasse minimamente, afinal o produtor nunca me tinha acostumado a coisas más. Enganei-me e os dois vinhos em causa entraram directamente para o top dos piores vinhos provados durante 2010. O rótulo é horrível, quase a fazer parecer que por ser vinho barato o pobre coitado que o comprar nem direito tem a uma coisa decente, não gostei da apresentação e o que teria a dizer sobre cada um dos dois vinhos não seria nada de bom. Primeiro de tudo temos dois vinhos Regionais em que o ano de colheita é completamente omitido, ninguém sabe portanto se os vinhos em causa são de um ano ou são um blend de vários anos, também não vejo razão para não colocar o ano de colheita se o vinho for de um só ano, portanto para o preço em causa só posso pensar que são sobras que por lá andavam. O branco o menos mau, é uma mistura de Fernão Pires e de Moscatel, um Moscatel mudo e calado, com uma gotinha limonada do Fernão Pires, nada mais que isto, em casa faço limonadas com mais aroma, acidez e concentração do que este branco. O JMF tinto mostrou-se como uma mistura de Castelão e Aragonez, derrapou completamente na prova, aroma a adega com fruta passificada e esmagada, pouco limpa, adocicado, na boca desequilibrado e a saber a vinho deixado no frigorífico por uma semana. Pensei que não me estava a acontecer, mudei de copo e tentei provar novamente, nada a fazer, foi cuspir e verter directamente as duas garrafas pela pia abaixo... dei o dinheiro como mal gasto, no caso do tinto por mais 1€ comprei o Tons de Duorum 2009 (Douro) que ao pé deste tinto parece um Batuta. Tenho é pena dos "pobrezinhos" , vá lá beba e não diga que não gosta que no rótulo diz José Maria da Fonseca... JMF Tinto 10 - 75 pts e JMF branco 10,5 - 76 pts

3 comentários:

cine-asia disse...

Boas.

O meu nome é Sérgio Lopes. Criei o blogue http://enofiloprincipiante.blogspot.com/

Por favor passem por lá.

Obrigado!

Saudações vinícolas!

Carlos Pereira disse...

Caro João Pedro,

Sigo o seu blog com alguma regularidade e não posso concordar minimamente com esta sua apreciação.
Eles na José Maria da Fonseca sempre apresentaram vinhos com uma óptima relação qualidade-preço e este vinho não é exceção. Temos que ter em conta que é um vinho de €2 e que tem que ser comparado com os vinhos desse nível de preço. Comparar com o Tons do Duorum parece-me injusto. Provei os vinhos recentemente que adquiri no Jumbo e pareceram-me vinhos correctos e totalmente adequados ao consumo de dia-a-dia. Claro que não estamos em presença de vinhos fantásticos mas se quisermos pagar esses preços então também temos outras escolhas neste produtor como o Periquita Reserva, o Pasmados, etc, etc, etc.
Fica aqui o reparo.

João de Carvalho disse...

Carlos Pereira tenha também em atenção que a comparação com o Tons de Duorum apenas surge devido a que por apenas mais 1€ se pode ter um vinho muito melhor, é uma realidade. Acho que quem compra tem o direito de ser informado que por mais 1€ pode ter na mão um vinho bem melhor...

Agora comparações à parte, que digamos, devem ser feitas sem qualquer problema, até entre vinhos que custam 50€ e vinhos de 20€ ou 10€... porque não ?

Neste caso o que aconteceu é que foram mesmo os dois piores vinhos que provei durante 2010.

 
Powered By Blogger Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-Noncommercial-No Derivative Works 2.5 Portugal License.