Copo de 3: Setembro 2019

30 setembro 2019

Herdade do Rocim Amphora 2017


Passo a passo a Herdade do Rocim consolidou o seu projecto, é nos dias de hoje uma referência com uma imagem ao nível da qualidade dos vinhos que nos coloca à disposição. Quando pouco se ouvia falar do Vinho de Talha, eis que foi a Herdade do Rocim responsável por um ressurgir de algo "esquecido" e que apenas tinha à altura um vinculo de "artesanato" típico de certas zonas. Com o passar do tempo esse acordar fez despertar outros tantos projectos que hoje nos brindam com grandes Vinhos de Talha. Este que aqui coloco é o Amphora tinto de 2017, um lote de Moreto, Tinta Grossa, Trincadeira e Aragonez cujo processo de vinificação é o tradicional com passagem por talhas. O perfil tem vindo a ser afinado e a cada colheita que passa, muita fruta vermelha com algum vegetal bem fresco, suculento e a puxar para a mesa, mostra-se muito limpo de aromas e com uma fantástica vontade de se beber com um assado de borrego. Ronda os 15€ em garrafeira. 91 pts

28 setembro 2019

Marquês de Borba 2018



Dispensa apresentações este tinto criado por João Portugal Ramos nas terras de Estremoz e que sempre soube manter um perfil de vinho acessível mas ao mesmo tempo com uma qualidade bem acima da média. O preço a rondar os 5€ faz dele uma escolha acertada. Aqui o que se encontra é um tinto marcado pela frescura da fruta, sempre muito limpa e rechonchuda, a passagem por madeira dá um ligeiro toque de complexidade e arredonda um bocadinho os cantos mas continua a mostrar vigor e energia na companhia dos mais variados pratos da nossa gastronomia. 90 pts

10 setembro 2019

Mamoré de Borba Vinho de Talha Branco 2018


Sovibor (Alentejo) afirma-se em três colheitas como produtor de referência no Vinho de Talha tal a qualidade dos vinhos que ali são criados pelas mãos do enólogo António Ventura. Este 2018 foi o melhor branco no I Concurso de Vinho de Talha realizado este ano. O preço a rondar os 22€, destaca-se pela definição de aromas que as uvas de vinhedo velho onde brilha a casta Antão Vaz. Um vinho de memória, a mesma memória e história que as talhas onde nasceu transportam dentro de si. Conjunto que se esbate em notas de cera de abelha a dar alguma untuosidade, tangerinas, flores e tisana. Na boca claramente a pedir comida, marcado pela fruta, novamente o toque ceroso, textura muito marcante com frescura e secura que lhe prolonga o final. 93 pts

05 setembro 2019

Duorum Branco 2018


Se o Tons de Duorum branco já é bom, este Duorum branco então é muito bom, para o preço que se consegue na casa dos 8,50€ e para todo o prazer que nos mete no copo. Este com Rabigato, Arinto, Códega do Larinho e Gouveio, com 30% do lote a fermentar em barrica o que lhe dá um maior aconchego e também uma complexidade que vai um bocado mais além do que o Tons. Abrimos para acompanhar um soufflé de peixe e camarão e a festa ficou garantida, com o vinho a mostrar muita fruta de pomar, cascas de citrinos e ligeiro amanteigado, fundo com ervas de cheiro. Apetece ir bebericando, sabe bem, corpo amaciado pela madeira, a frescura está presente e o vinho elegante consegue manter uma boa prestação ao longo de todo o jantar. No final a garrafa estava vazia, sem dúvida a melhor homenagem que se pode fazer a um vinho. 91 pts

02 setembro 2019

Bridão Reserva 2013


Escolhi este Bridão Reserva 2013 oriundo da Adega do Cartaxo (Tejo), cujo preço ronda os 8,50€ e não sendo a última colheita no mercado é a meu ver um vinho que começa agora a afinar aromas e sabores. Este Bridão Reserva precisa de ar, precisa de tempo de copo e depois de provado mostra sinais que aguenta mais um tempo em garrafa. Um vinho cheio de garra, com aromas de fruta silvestre e toques de chocolate preto, chá, tudo envolto com uma boa dose de frescura que o abraça e não o deixa cair de maneira nenhuma. Vinho para pratos de bom tempero. 91 pts

01 setembro 2019

Vale Barqueiros Reserva 2015

A poucos quilómetros de Alter do Chão fica situada a Herdade de Vale Barqueiros, de onde sai este Reserva 2015 com preço a rondar os 12€. Um vinho maduro carregado de fruta preta com muita compota e cacau, estruturado mas com gordura a dar peso e um tom mais morno dado pelos 12 meses de barrica, aqui os 15% também ajudam. Taninos firmes a darem vida e persistência tal como alguma frescura que o ajuda a equilibrar "as contas" no final. 90 pts
 
Powered By Blogger Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-Noncommercial-No Derivative Works 2.5 Portugal License.