Copo de 3: Vinho de Talha... a verdade escondida

27 janeiro 2019

Vinho de Talha... a verdade escondida

Foto retirada do site: http://vinhodetalha.vinhosdoalentejo.pt
Não importa os anos com que lido com este tipo de vinho, que para alguns é como um brinquedo novo, não importa as vezes que o vi ser feito bebido ou provado, importa que o fenómeno das talhas reapareceu faz menos de uma década, e que de supetão deu-se uma corrida louca e desenfreada que colocou produtores de norte a sul de Portugal a correrem todo o Alentejo à procura de talhas, não importa tamanho, idade ou feitio... desde que fosse uma talha a festa está feita. Para os que não conseguem ter uma das centenárias, inventaram-se umas mais modernaças para não estragar a brincadeira. Depois grande parte desses vinhos nasce de forma confusa e direi de uma forma adulterada e vai contra aquilo que sempre foi e sempre caracterizou o vinho de talha. Há vinho que apenas toca ao de leve na talha e passa para o inox e é de talha, é de talha aquele outro em que apenas uma % do que lá foi feito é misturado com outro estagiado em madeira, pelo que me arrisco a dizer que é tudo menos o autêntico vinho de talha. O engraçado é que quem certifica (CVRA) por um lado diz uma coisa mas na hora de colocar o selo diz outra. Senão vejamos, no site dedicado ao Vinho de Talha podemos ler que:

Fotografia: Talhas Pesgadas, autoria Sovibor
"A Impermebiabilização da Talha

A talha, por ser porosa, necessita de um revestimento que a torne menos permeável. O método tradicional de impermeabilização é a “pesga” ou a “pesgagem” da talha, isto é, a rebocagem da mesma com resina de pinheiro a que se chama de pez louro. Nas tabernas e adegas particulares também há quem utilize tintas com efeito impermeável (tinta epoxi para revestimentos cerâmicos) que podem ser colocadas pintando o interior da talha. Todavia, estas tintas criam um isolamento de tal forma absoluto entre o barro e o mosto vínico, que não permitem que a talha cumpra a plenitude da sua função, não sendo portanto uma alternativa viável por não manter a marca nem o carácter típico desta forma clássica e natural de vinificação."

O insólito é que lendo o que a CVRA escreve no seu portal dedicado à promoção do vinho de talha, ficamos a saber que: “... a talha com epoxi... não cumpre a plenitude da sua função, não sendo portanto esta uma alternativa viável." É a mesma CVRA que no seu "regulamento" diz o seguinte:

"2. Das práticas enológicas Na elaboração do «Vinho de Talha» serão seguidos os métodos tradicionais e as práticas e tratamentos enológicos legalmente autorizados, devendo adoptar-se obrigatoriamente os seguintes processos:
a) desengace das uvas é obrigatório;
b) a fermentação terá lugar em talhas ou potes devidamente impermeabilizados;"

 Procurei esclarecimento junto daquela entidade e fui informado que é possível o uso de epoxi, contrariando aquilo que surge no site por eles criado para promoverem a dita tipicidade deste vinho. Relembro mais uma vez quanto ao epoxi: " não sendo portanto uma alternativa viável por não manter a marca nem o carácter típico desta forma clássica e natural de vinificação". 

Chego portanto à conclusão que perante tanto produtor a querer ter o seu "Vinho de Talha" e dado que pesgar as ditas não é para qualquer um, o vale tudo para ter o vinho certificado e com a máquina do marketing a rolar, se engole a tradição que por um lado se apregoa mas na altura que interessa, se deixa na gaveta. Deixo pois as seguintes questões:
- Não está o consumidor a ser ludribiado quanto à autênticidade do Vinho de Talha que compra, quando este é feito numa talha revestida a epoxi, que fugindo à tradição e que segundo site oficial, não é uma alternativa viável ? 
- Em que ponto ficam todos os produtores que seguem a preceito as regras e a tradição face aos restantes ? 
- Se forrar uma talha a inox, assegurando que fica devidamente impermeabilizada, o vinho pode ser certificado pela CVRA como Vinho de Talha ?

1 comentário:

André Miguel disse...

Excelente artigo. É algo que igualmente me intriga há imenso tempo. Já bebi vinhos de "talha" completamente intragáveis, tal o seu impressionante sabor a resina! Ou a CVRA clarifica de uma vez por todas e cria uma denominação oficial para o vinho de talha, ou vamos beber gato por lebre por muitos anos.

 
Powered By Blogger Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-Noncommercial-No Derivative Works 2.5 Portugal License.