Copo de 3

10 agosto 2020

Montes Claros ou como destruir um ícone...

São poucas as marcas de vinho de mesa em Portugal com mais de 70 anos de vida. Mas existem e uma delas é Montes Claros, o icónico vinho de Borba tal como o dizia no rótulo e que colocava a cidade no mapa de Portugal muito antes de existir a Adega de Borba. O seu rótulo carregava toda uma identidade, mas acima de tudo um orgulho em ser de onde era, mais do que Alentejo era de Borba. Um rótulo que como outros desde miúdo me acostumei a ver saltar para a mesa, era vinho bebido lá por casa, quando se ia comprar à adega do Sr. Mendonça ainda no tempo do seu criador. Os tempos passaram e a marca mudou de mãos mais vezes até chegar às mãos da Adega de Borba. Os vinhos perderam o perfil, perderam as vinhas que eram mesmo velhas, como perderam tantos outros de outras marcas que se tentaram sempre rebuscar na memória como eram mas nunca ficaram igual ao que foram. Os tempos modernos ditaram mudanças, no perfil e até no alargamento da gama com a consequente ajuste no rótulo, algo que sempre me deixa perplexo mas há que dar trabalho às agências que os desenham por isso o clássico lá mudou para algo mais ao dito "gosto" do consumidor. 

Passaram anos com aquele novo perfil onde se criou até um "novo" Garrafeira de grande qualidade, que neste caso não é o objectivo do que escrevo. Mas recentemente recebi as novidades, uma nova mudança foi anunciada. Pensei eu que num rasgo de bom gosto íamos assistir a um pomposo regresso às origens com o reposicionar da marca no mercado num patamar de topo, mas ninguém me mandou ser optimista. Ora a marca cujo rótulo já tinha sido descaracterizado, foi agora alvo de aquilo a que eu chamo o derradeiro acto da falta de gosto para não dizer puro amadorismo. 

Pensava eu que as marcas com história tentam, ou deveriam, preservar ao máximo a identidade do seu bem mais precioso, a imagem do seu rótulo. Neste caso foi literalmente tudo deitado para o lixo.



04 agosto 2020

Fresh from Amphora 2019


A Herdade do Rocim junta-se ao projecto Nat Cool criado pela Niepoort, com este puro tinto de talha,  onde o que se pretende são vinhos leves e fáceis de beber. As castas escolhidas foram as tradicionais Moreto, Tinta Grossa e Trincadeira. O vinho foi apenas vinificado em talhas de barro como manda a tradição e depois engarrafado. É daqueles vinhos que surpreende pela facilidade com que ficamos a gostar dele e a apetecer ter por perto, servido mais fresco a acompanhar uma boa mesa cheia de petiscos. Bem composto de aromas, cativa pela veia mais rústica que a talha confere sem mascarar os toque mais subtis de fruta ou o tom mais floral. Na boca tem uma acidez que surpreende, fruta ácida e suculenta capaz de revigorar o palato frente a uns lagartos de porco preto grelhados na brasa. Por 12€ é daqueles que dá um gozo tremendo a beber. 92 pts

Vidigueira Licoroso Tinto


Para comemorar os 60 anos de vida, a Adega da Vidigueira lançou este Licoroso Tinto, vendido a 15€ na loja da Adega. Este licoroso da colheita de 2013 feito com base nas castas Trincadeira e Tinta Grossa surpreende pela complexidade de frescura de aromas que debita no copo. Tem muita vida e muito por onde ir "pegando" à medida que se vai baldeando no copo e bebendo. Desde especiarias, frutos secos a notas mais de compota de frutos vermelhos, aromas e sabores dados pelo tempo que numa prova às escuras nos podia quem sabe levar a pensar em algo esquecido algures numa cave em Gaia. Mas este nasceu na Vidigueira e encanta pelo seu cante, com alma mas acima de tudo um grande prazer. 93 pts

Herdade do Rocim Espumante Brut Nature Rosé 2017


Pronto para refrescar as nossas mesas, acaba de sair a nova edição do Brut Nature Rosé da Herdade do Rocim. Um espumante feito a partir da casta Touriga Nacional com preço de mercado a rondar os 14€. Dá a impressão que da colheita anterior para esta ganhou alguma desenvoltura na maneira como se manifesta, o que é bom sinal. Afinado, com uma frescura muito presente, leve toque de biscoito a dar o tom mais cremoso e envolvente com compota de frutos vermelhos a mostrar o lado mais ácido e frutado. Ligação a pratos simples como foi o caso, uns mexilhões ao natural. 91 pts

03 agosto 2020

Dona Aninhas Reserva Rosé 2019


É novidade este rosé lançado pela Quinta de São Sebastião (Lisboa) situada em Arruda dos Vinhos, com preço de mercado a rondar os 15€. O vinho é homenagem à mãe do produtor, num lote composto por Touriga Nacional, Merlot e Castelão com passagem em barrica durante 6 meses. Gostei da maneira como se diferencia no imediato pelos aromas, cativa e desafia, é diferente não pela frescura que também a tem, mas pelo ramalhete de aromas distintos do que por regra costuma abundar nos rosés. Aqui talvez um pouco mais de especiaria, flores silvestres com frutos do bosque mas tudo muito limpo e agradável. Daqueles vinhos que abrimos e sabe fazer boa companhia. 91 pts

06 fevereiro 2020

Cossart Gordon Colheita Bual 1986

A firma Cossart Gordon (Madeira) foi fundada em 1745 pelos irmãos Francis e Thomas Newton, tendo sido a primeira empresa exportadora de Vinho da Madeira. Este é um vinho Colheita que teve um estágio mínimo de 5 anos em casco de madeira, feito a partir da casta Bual. Um vinho de estilo meio-doce onde nos deixamos levar pela riqueza da sua fina e delicada complexidade que se vai desdobrando no copo. Surgem a fruta em passa (figo, ameixa), algum iodo ao mesmo tempo as especiarias com toque de madeira velha, num conjunto embalado por uma boa dose de frescura num longo final com toque de caramelo salgado. Um vinho para abrir e acompanhar na perfeição a conversa no final da refeição. 91 pts

04 fevereiro 2020

Duorum 2017


Mais uma edição de um exemplo do que é um daqueles vinhos extremamente bem feitos e que nos garante prazer, colheita após colheita. Com este 2017 o patamar de qualidade subiu ligeiramente, o preço a rondar os 12€ torna ainda possível o acesso a vinhos de um patamar de qualidade muito superior à média como é o caso. Nasce no Douro Superior, um vinho sem muitas pontas soltas que nos permite um prazer pleno à mesa em companhia de pratos de bom tempero, junta a isso a frescura e a qualidade da fruta que lhe dá aroma e sabor. Envolvente e mostrando grande equilíbrio de conjunto, tem toda uma estrutura que o apoia para durar em garrafa, mas para já o prazer está mais do que garantido. 92 pts.

17 janeiro 2020

Poças Vale dos Cavalos 2009


A Quinta Vale de Cavalos (Numão) no Douro Superior foi adquirida em 1988 pela Casa Poças. Este vinho é criado a partir das castas 50% Touriga Nacional, 20% Touriga Franca, 20% Tinta Roriz, 10% Tinta Barroca com passagem apenas de 30% do lote em barrica usada. O preço demasiado tentador anda nos 7€, num tinto cheio de classe e carácter que apetece beber. O tempo não lhe fez estragos, afinou e refinou todo o conjunto que se bebe com grande prazer à mesa, sempre num tom fresco e elegante com a fruta em destaque e um bouquet airoso a dar sinais de que a evolução em garrafa foi bastante positiva. Abra-se pois neste momento com um arroz de pato para alegria de toda a mesa. 91 pts


Poças Vintage 2000


Faz parte do pequeno lote de Vintage que tenho por casa para ir abrindo conforme a ocasião. Pessoalmente não é o estilo de vinho que mais aprecio caindo sempre a escolha no estilo Tawny. Este Poças Vintage 2000 foi aberto, decantado durante uma hora e servido, mostrou aromas complexos onde se mistura a fruta macerada com fruta madura e fresca, compotas, folha de tabaco, ligeiro balsâmico num conjunto já a mostrar sinais de harmonia e suavidade no trato. Tendo outros anos mais recuados desta casa como referência, posso dizer que deveria ter sido guardado mais 20 anos. Deu prazer a quem o bebeu, saboroso e com tudo no sítio, mas nada mais que isso.  91 pts

14 janeiro 2020

Indígena 2018


O Bio anda na boca do povo, o frenesim instalou-se a bem de um modo de vida sustentável e saudável, para tal o produto Bio é uma base fundamental. Este modelo à muito que tem vindo a ser seguido por muitos produtores de vinho, acredito que outros por necessidade de negócio tenham de enveredar por este caminho porque o negócio a isso obriga. Mas por outro lado temos produtores que antes das modas sempre os ouvimos falar em que o modelo seguido era o Biológico. A Herdade do Rocim sempre teve isso em conta, os cuidados não são apenas na aparência cuidada dos seus produtos mas também esses cuidados começam na vinha. 

Neste caso o Indígena 2018 é o primeiro tinto bio que sai da adega do Rocim com o certificado de Agricultura Biológica, sendo o vinho apenas estagiado em tanques de cimento e com um preço a rondar os 12€. O resultado é frescura e pureza da fruta, mesmo muita fruta carnuda e suculenta com ameixas e bagas negras a explodirem de sabor na boca, ligeira austeridade com chá preto a dar uma secura que se faz sentir no final de boca. Boca saborosa e cheia de frescura com tudo em grande harmonia a dar uma belíssima prova. De uma casa que é uma referência este não podia fugir à regra. 91 pts

13 janeiro 2020

Miogo Espumante Reserva 2017

A marca Miogo surgiu em 1999 e pertence à  empresa Vinhos Norte, com as suas origens na Quinta do Miogo em Guimarães. Comemora na colheita de 2019 os seus 20 anos de história e nada como brindar à saúde e sucesso da empresa, com o seu mais recente Espumante Reserva 2017 oriundo da zona dos Vinhos Verdes com base nas castas Arinto e Loureiro. Um espumante com preço a rondar os 13€, a mostrar-se alegre e bem aprumado de aromas, capaz de boas ligações com queijos secos, marisco e peixe fumado. Ligeirinho na cremosidade, mostra muita e boa fruta fresca com tons mais citrinos e em fundo um lado mais verde com tom de maçã e erva cortada. Tem tudo para brilhar à mesa em boa companhia. 90 pts

12 janeiro 2020

Esporão Reserva 1999


Uma double-magnum (3 Litros) de Esporão Reserva 1999 foi o vinho que decidi abrir pela passagem de ano. Este é sem dúvida alguma o formato e a altura ideal para ser aberto num jantar com um número alargado de amigos. Abertura com alguma antecedência revelando desde logo um vinho adulto e em grande forma, dando uma prova ao nível do melhor que os Esporão Reserva me têm acostumado. Não foi necessário esperar muito por ele, apesar das idas e vindas para atestar o decanter, afinal a maior volumetria da garrafa atrasa o efeito da passagem do tempo permitindo que o vinho se aguente por muito mais tempo na sua melhor fase de consumo. Muita fruta silvestre ainda com frescura a passear pelo copo, ao lado aromas de caixa de especiarias com folha de tabaco, travo de canela, pimenta e compota de ameixa numa toada mais gulosa. Já aveludado no trato, cheio de finesse e uma frescura que lhe percorre todo o corpo. Muita classe neste tinto que mereceu os maiores elogios de todos os presentes, os grandes vinhos são assim.

 
Powered By Blogger Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-Noncommercial-No Derivative Works 2.5 Portugal License.