Copo de 3

14 novembro 2018

Quinta de Pancas Grande Reserva 2013


É o topo de gama da Quinta de Pancas (Lisboa) e surge para dar continuidade ao Grande Escolha, agora chama-se Grande Reserva. É feito com Touriga Nacional, Alicante Bouschet e Petit Verdot, o preço ronda os 25€ e é o regressso deste produtor à ribalta com um grande vinho. É complexo, amplo e com um aroma maduro de fruta silvestre, amoras, ameixa, nota de chocolate preto, especiado com um fino recorte balsâmico a envolver o conjunto. Ainda jovem, mostra sinais de ligeira austeridade em pano de fundo, alguma tosta da barrica. Boca com grande estrutura suportada pela frescura e qualidade da fruta, saboroso e opulento, mas já a querer mostrar alguma elegância e harmonia, final persistente. Desde já tem tudo para agradar, mas o tempo em garrafa só lhe vai fazer bem. 95 pts

13 novembro 2018

Mouchão Tonel 3-4 2013

Para os lados da Herdade do Mouchão  (Alentejo) o tempo parece gostar de passar devagar, afinal de contas a pressa sempre foi inimiga da perfeição e os vinhos ali criados nunca gostaram de correrias. Este é o topo de gama, o Tonel 3-4, um tinto oriundo das melhores uvas da casta Alicante Bouschet que nascem na Vinha dos Carapetos, o vinho estagia posteriormente nos toneis que lhe dão o nome. Este ano o Tonel surge com nova roupagem, muito sóbrio e senhorial, mostrando as razões por que é sem dúvida alguma um dos melhores tintos feitos em Portugal. 

Concentrado e fresco, este monolito de fruta silvestre negra com compota, ervas de cheiro, chocolate preto, ligeiro balsâmico de fundo, ainda tudo muito novo mas cheio de energia. Cresce no copo e como que por camadas os aromas vão surgindo, limpos mas ainda muito compactos. Na boca é uma explosão de sabor, um colosso que conquista todo o palato no imediato, largo e profundo, com a fruta bem suculenta a dominar e a fazer perdurar a festa. O final pede calma, pede que o deixemos evoluir durante mais uns anos, que tem ainda muito para crescer em garrafa. Se já tinha ficado rendido ao 2011, este 2013 consegue ser ainda superior. 98 pts

Marquês de Marialva Baga Reserva 2010

Um 100% Baga da Adega de Cantanhede (Bairrada) com preço a rondar os 6€ e que se revela uma aposta vencedora para beber no dia a dia, ou para guardar durante uns bons anos. Este é da colheita de 2010 e mostra-se numa fantástica forma, cheio de vida mas a mostrar que os 8 anos que passaram ajudaram a afinar o conjunto. Um tinto pleno de harmonia e equilibrio, frescura da fruta fresca e carnuda, cerejas e bagas silvestres, toque fumado com cacau em fundo e tom herbáceo. Com o tempo acomoda-se ao copo e fica sedutor e convidativo. 90 pts

12 novembro 2018

Monsaraz Colheita Tardia 2016


Da CARMIM (Alentejo) sai este colheita tardia criado a partir da casta Semillon, com o vinho a estagiar durante 12 meses em barricas usadas de carvalho francês. A estreia não podia ser melhor, o vinho é guloso e muito fresco, de aromas bem definidos com destaque para os citrinos, ligeira calda a envolver tudo com um ponto mais untuoso e gordo dado pela fruta de polpa amarela. Na boca encontramos o mesmo timbre, untuoso e fresco, prolongado e com grande equilibrio entre doçura/frescura. Marca o palato pelo sabor da fruta, num final de boa persistência. Custa coisa de 10€ na loja do produtor e é uma aposta tentadora para acompanhar os doces da época Natalícia. 92 pts

09 novembro 2018

Mouchão 2013


É a mais recente edição deste vinho, o Mouchão 2013 aparece em grande forma e com uma nova imagem. Um verdadeiro colosso, apenas suplantado pelo seu irmão mais velho, Tonel 3-4, mas no que a qualidade diz respeito será sem dúvida alguma dos melhores Mouchão (Alentejo) que me lembro dos últimos anos. Carregado de frescura com a fruta silvestre bem carnuda, firme e sumarenta, mas muito limpa e em grande destaque, ainda tenso com as notas balsâmicas em segundo plano. Com algum tempo de rodopio surgem as notas de alcaçuz, ligeiro terroso/mineral em fundo que dá aquela ligeira rusticidade que se vai limar com o tempo. Na boca é envolvente, demasiado novo apesar de mostar uma grande harmonia, preenche o palato de sabor com a fruta e o alcaçuz em destaque, depois leve balsâmico e o toque dos taninos a pedirem mais tempo. Um vinho com largos anos pela frente,45€. 96 pts

08 novembro 2018

Barbeito Ribeiro Real Boal Lote 1 20 Anos


Os vinhos da Barbeito (Madeira) pelas mãos do seu produtor e enólogo, Ricardo Diogo, mostram-se atrevidos e irreverentes, mas sempre com o olho metido na qualidade que em alguns casos atinge a plenitude. A quantidade em alguns casos é muito pouca, uma vez que os lotes utilizados para criar estas preciosidades são muito velhos, limitados e de excelente qualidade, o que explica a procura e o preço que se paga. Para este vinho foi seleccionado o melhor Boal com 20 anos da zona do Campanário, ao qual se adicionaram outros vinhos velhos (1952, 1953 e 1954) de Tinta Negra oriunda do Ribeiro Real. Em Maio de 2014 foram engarrafadas 1296 unidades, todas individualmente numeradas, preço a rondar os 170€.

Enorme vinho, toque fumado, amplo e muito complexo, nota de iodo com laranja caramelizada, floral, grande presença e definição. Com o tempo ameixas em calda, um toque mais guloso e untuoso, enorme equilíbrio entre componentes com uma frescura fantástica a ligar tudo. Enche o palato de sabor, guloso e bem fresco, profundo e de grande persistência. 96 pts

07 novembro 2018

Quinta do Estanho Vinhas Velhas Grande Reserva 2015


Este Grande Reserva 2015 da Quinta do Estanho (Douro) nasce na zona do Pinhão, oriundo de vinhas plantadas entre 1932 e 1970, com cerca de três dezenas de variedades identificadas. A uva foi pisada em lagar e o vinho estagiou em barricas novas durante 12 meses, escolhidas as melhores barricas deram origem a pouco mais de 1400 garrafas, com preço a rondar os 20€ por unidade. Nariz de aromas muito coesos, cheio de vigor e complexidade, muitos frutos silvestres em tom escuro, esteva, chocolate preto, entrusamento da madeira com todo o conjunto, final com um toque terroso. Com uma estrutura firme, mostra muito vigor, saboroso com a fruta a despontar cheia de frescura, taninos educados num vinho que pede tempo para crescer em garrafa. 93 pts

06 novembro 2018

José de Sousa Puro Talha 2015


Um tinto oriundo de uma vinha plantada em 1952, a partir das castas Grand Noir, Aragonês, Trincadeira e um pouco de Moreto, nasce pelas mãos da José Maria da Fonseca este tinto José de Sousa Puro Talha. Fermentado com 30% de engaço em talhas de 1600 litros, permaneceu sobre as massas até Novembro e, após a prensagem, uma parte voltou às talhas e outra foi para barricas de 500 litros feitas em madeira de castanho, preço a rondar os 35€.

De aromas aconchegantes, nota-se a envolvência da madeira com os toques do barro, fruta mais evoluída com tom escuro (figo, ameixa, amora) e bem delineada com toque licoroso. Complexo e rico em detalhes, cheio de especiarias, toque vegetal fresco dado pelo engaço e fundo terroso. Na boca enche o palato, equilibrado e fresco, final persistente com toque de barro. 94 pts

05 novembro 2018

Barbeito Boal 10 Anos


Os vinhos da Barbeito (Madeira) são dos mais acutilantes a nível da acidez, muito firmes e com aromas muito frescos, este é um belo exemplar de um Boal 10 Anos. Desponta para alem da boa frescura uma fruta em tom meio doce com figos secos e alguns citrinos em geleia, tom mais gordo dado pelo tempo em madeira ( estagiado em Canteiro durante 10 anos em cascos de carvalho Francês), num conjunto repleto de harmonia e envolvimento. No palato replica-se e envolve com o tom meio doce para se diluir num prolongado final de boca. O preço ronda os 30€ e acompanha na perfeição um bolo de noz. 91 pts

04 novembro 2018

Aliança Vintage Bruto 2010


Este Bairradino oriundo das "Caves Aliança" (Bacalhoa Vinhos) nasce de um lote de Baga e Chardonnay, que descansou 36 meses em garrafa antes do dégorgement. O preço ronda os 16,40€ e justifica o investimento, uma vez que estamos perante um belo espumante. Sério e conquistador, exuberante com bonitas notas de tosta, leve amanteigado na sensação de biscoito a conferir noção de cremosidade. Depois é a fruta que entra num plano harmonioso, com toques de pêra madura. Na boca bom volume, enche o palato de sabor, mousse muito fina com frescura prolongada e uma bela prestação a acompanhar um suflê de camarão. 92 pts

03 novembro 2018

Murganheira Malvasia Fina Bruto Espumante 2013


Extremamente vocacionado para a mesa este Murganheira Malvasia Fina Bruto. Deixemos pois as celebrações para outras referências que esta pede que seja servido à mesa com pratos delicados (peixe ou marisco). Sobressai toda a sua delicadeza no trato com suporte numa bela frescura que lhe dá vida necessária. Aromas de fruta de pomar em calda, ligeiro floral pelo meio e um final ligeiramente com fruto seco que dá ligeira sensação de cremosidade. O preço ronda os 10€ e é uma excelente aposta para iniciar um jantar a acompanhar uns mexilhões ao natural. 90 pts

02 novembro 2018

Tapada do Chaves branco 2014


A serenidade com que a Serra de São Mamede (Portalegre) contempla as vinhas velhas da Tapada do Chaves, continua imune ao reboliço que se tem vivido no síio do Frangoneiro. A verdade é que a Tapada de Chaves deixou de pertencer à Murganheira e é agora propriedade da Fundação Eugénio de Almeida, que levou a cabo uma imediata mudança na imagem dos vinho, na política de distribuição e também no preço. O consumidor fica confuso e algo baralhado, uma vez que todos os vinhos foram relançados com novos rótulos a preços muito superiores ao que estavam a ser vendidos.

Este branco é oriundo de uma vinha plantada em 1903 com muitas castas misturadas, muito aprumado e equilibrado no conjunto de aromas e sabores. Bonita a maneira como a fruta nos toques citrinos e de polpa amarela se combinam com uma ligeira amendoa, ervas de cheiro, tisana e toque fumado no final. Elegante e com uma boa presença no palato, ligeiramente untuoso e fresco, a mostrar-se num bom momento de forma. 91 pts
 
Powered By Blogger Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-Noncommercial-No Derivative Works 2.5 Portugal License.