Copo de 3

16 maio 2019

Cistus Reserva 2015


Produzido na Quinta do Vale da Perdiz (Douro) perto de Torre de Moncorvo localizada já no Douro Superior, tem o lote dominado pela Touriga Nacional seguida da Tinta Roriz e da Touriga Franca. Passou 17 meses em barricas. Um vinho com preço a rondar os 10€, intenso e carregado de fruta madura com evidente toque de licor a envolver todo o conjunto, envolvente com notas de chocolate preto e um travo de esteva em flor confere alguma rusticidade no fundo. Na boca é a fruta madura e com compota, doseado na frescura em companhia de alguma austeridade em pano de fundo. Os 15% que apresenta fazem-se notar com o tempo no copo, passando uma rasteira e o vinho fica algo desequilibrado perdendo a boa postura inicial. 89 pts

09 maio 2019

Mamoré de Borba Vinho de Talha branco 2017


A Sovibor (Alentejo) renasceu e rejuvenesceu a sua alma cinquentenária, as suas instalações foram totalmente renovadas e as novidades surgem em cada recanto. A aposta no Vinho de Talha foi total e o resultado é surpreendente pela qualidade que os vinhos desde a primeira colheita apresentaram. Este é a segunda edição do Branco, preço a rondar os 22€, que nasce a partir de vinhedo velho onde brilha a casta Antão Vaz. Um vinho capaz de invocar memórias, conversas e mesmo recordar pessoas que o tempo já levou, um vinho de memória, a mesma memória e história que as talhas onde nasceu transportam dentro de si. Pesgadas com resina de abelha, processo mais dispendioso e menos duradouro mas que não marca tanto o vinho como as antigas pesgagens, muitas vezes a "sequestrarem" os vinhos com aromas e sabores mais vincados e menos apetecíveis. 

Aqui o que encontramos para além da pureza da fruta de caroço já com alguma calda, é a frescura que se esbate em notas de cêra de abelha a dar alguma untuosidade, tangerinas, flores e tisana, ligeiro fumado. Na boca claramente a pedir comida, marcado pela fruta, novamente o toque ceroso, textura muito marcante com frescura e secura no fim a pedir umas iscas ou uns pezinhos de coentrada. 93 pts

07 maio 2019

Quinta do Côtto Vinha do Dote 2015


Cada vinho conta uma história diferente, a história deste Quinta do Côtto (Douro) começa na vinha velha com mais de 80 anos que lhe dá origem, a Vinha do Dote. Uma vinha que chegou à família Champalimaud via dote de Rosa Carolina Pinto Barreiros, aquando do seu casamento com António Montez Champalimaud, em 1865. Rosa viria a fundar, em 1922, a empresa Montez Champalimaud Limitada. Em sua homenagem, esta vinha velha foi cuidadosamente recuperada e batizada, simbolicamente, como Vinha do Dote. Posso dizer que o vinho é tão bonito como a história da vinha que lhe dá origem, um tinto estagiado 15 meses em barricas usadas e ronda os 20€. Dotado de um aroma muito fresco, perfumado com notas de frutos vermelhos, leve terroso com sinal de austeridade, complexidade fina num todo delicado e a dar muito prazer, especiarias, cacau, tudo bom de cheirar e beber. Boca com sinais de presença da fruta de grande qualidade, equilibrio dado pela madeira, frescura e final persistente. Daqueles vinhos que dá gozo tremendo beber à mesa com um guisado de javali. 92 pts

06 maio 2019

Herdade do Rocim branco 2018


Da Herdade do Rocim (Alentejo) sai o primeiro branco da colheita de 2018, feito a partir das castas Antão Vaz, Arinto e Viosinho. Desde a anterior colheita que no rótulo surge a figura da Linária, uma planta endémica da Cuba alentejana e que se encontra em perigo de extinção. No que ao vinho diz respeito, pareceu-me ligeiramente melhor que o 2017, com uma elegância e ao mesmo tempo uma frescura que se combinam num misto de austeridade da fruta ainda jovem e suculenta, mas ao mesmo tempo com nervo, travo vegetal, sem quebras num final saboroso. Um branco pronto para a mesa e que acompanha em grande uns mexilhões à la marinera. O preço ronda os 7,50€ no que revela ser uma excelente aposta agora que o tempo quente se começa a fazer sentir. 91 pts

05 maio 2019

Canena Vinho de Talha branco 2017


Nascido na Quinta da Pigarça, em Cuba (Alentejo), criado com mestria em ancestrais talhas de barro, devidamente pesgadas. Na alma leva as castas Roupeiro, Antão Vaz, Arinto e Rabo de Ovelha, sendo neste caso um branco de 2017 onde a bonita tonalidade alaranjada invoca no imediato memórias de outros tempos. Complexidade e frescura notáveis num branco que debita muitos aromas da boa evolução, cêra de abelha, resinas, tons de fruta de caroço (alperce) e citrinos maturados, a envolvente é quase que rodeada de ervas de cheiro, flores de esteva, num conjunto com uma acidez que lhe dá uma vivacidade e vertente gastronómica tipica dos vinhos de talha. Novos tempos em que em vez de o vinho ser servido em jarro vindo da talha, vem em garrafa e ronda os 10€. A qualidade e a memória está toda bem presente, tal como o cariz gastronómico. Sirva a acompanhar uns rins com miolos e faça a festa. 92 pts

02 maio 2019

Astronauta Moscatel do Douro

Da parceria entre o enólogo Aníbal Coutinho e a Adega de Alijó, nasce este Moscatel Galego Dourado, fruto de um lote de vários anos. O preço mais uma vez a tornar apelativa a compra, ronda os 8€, e o que temos na garrafa é um Moscatel do Douro alegre, fresco e cheio daqueles aromas que invocam compotas de laranja, leve tropical mas com floral pelo meio. É um vinho com corpo mediano mas envolvente e que conjuga bem a frescura com o toque doce sem ser em demasia, perfeito para aqueles dias de calor a acompanhar uma boa torta de laranja. 89 pts

28 abril 2019

Herdade do Rocim Grande Reserva Brut Nature Rosé 2014

Pode não acreditar mas no Alentejo a produção de Espumante Bruto Natural remonta às Caves Montes Claros (Borba), fundadas em 1893 e que veriam o seu fim com a marca a ser vendida quase um século depois. O projecto de que falo é bem mais recente, a Herdade do Rocim (Alentejo) solidificou a sua imagem ao longo das colheitas com base na consistência de uma qualidade acima da média dos seus produtos. Neste caso o destaque vai para o espumante topo de gama, pouco mais de 725 garrafas, todas elas numeradas (esta foi a nº316) deste novo espumante do Rocim. Apresenta-se como o topo da sua gama e o preço ronda os 28€, o Grande Reserva Rosé é criado a partir da casta Touriga Nacional, que estagiou sobre a própria borra cerca de 36 meses até ao seu dégorgement. Rico em detalhes tal como a identificação do nº da garrafa junto à rolha, à alta qualidade e muito prazer que nos proporciona no copo. É de facto um belíssimo espumante nascido e criado em pleno Alentejo, pleno de fruta vermelha cheia de vida e muito saborosa, ligeiro brioche e massa fina, num fundo com austeridade e frescura que limpam por completo o palato. Boca com a fruta a estalar de sabor, cremoso mas ao mesmo tempo rijo e de grande final. 94 pts

27 abril 2019

Conciso 2015


A casa Niepoort instalou-se no Dão mais precisamente na Quinta da Lomba, onde cria este Conciso, que pretende ser segundo o produtor uma interpretação de um Dão fino e elegante, um vinho que mostra todo o potencial e carácter de uma vinha muito velha. Ora a vinha é muito velha, plantada em solo de granito na encosta da Serra da Estrela com castas misturadas onde a Baga e Jaen são predominantes. A vinificação é feita em lagar com parte de engaço, estágio posterior de 20 meses em tonel velho de 2,500 Litros. Vinho com preço a rondar os 25€ repleto de aromas a invocar o Dão num estilo mais clássico, cheio de frescura e elegância e muito amigo da mesa, grande presença na boca com aromas de bagas silvestres, caruma, ligeiramente terroso e especiado no final, longo e muito persistente. Bebe-se com enorme prazer a acompanhar um assado de borrego no forno, com taninos finos mas acutilantes capazes de atacar a molhenga do assado. 94 pts

Marquês de Borba Vinhas Velhas 2017


A gama Marquês de Borba Vinhas Velhas surge como um recente upgrade na gama Marquês de Borba Colheita, criado com as castas Alicante Bouschet, Aragonez, Castelão e Syrah, pisadas em lagares de mármore e estagiado posteriormente 12 meses em barricas de carvalho americano e francês. O génio criativo de João Portugal Ramos soube desde sempre criar vinhos do agrado dos consumidores, este apenas o vem confirmar uma vez mais e mostra-se em Alentejano de gema com uma frescura que lhe aguça os sentidos, aromas e sabores. Muito focado na fruta gulosa e suculenta, complexidade delicada com boa evolução nos aromas, especiarias, couro e tabaco mas também uma leve carga vegetal fresca de fundo. Daqueles tintos que faz um brilharete à mesa com um arroz de pato, ronda os 13€ e tem estofo para durar mais uns bons anos em garrafa, como todos os vinhos criados nesta adega. 91 pts

25 abril 2019

Vidigueira Vinho de Talha branco 2018

Novidade da Adega da Vidigueira (Alentejo) elaborado a partir de vinhas velhas com as castas Antão Vaz, Perrum, Síria, Manteúdo, Diagalves e Larião. Parte das talhas são pesgadas e outra parte revestidas a epoxi. É um branco claramente diferenciável do que por norma nos escorre para o copo, de aromas a invocar cêra de abelha, resina, ligeira esteva em flor com aromas de frutas (citrinos, fruta de pomar) maduras e passa de uva branca. Na boca mostra-se amplo e com sabor vincado onde brilha a fruta, novamente o travo de levedura e cêra dá sensação de untuosidade, um pouco mais de complexidade num conjunto com uma bela frescura. São 10€ na loja da adega por um branco muito cativante e claramente a pedir mesa com perfil gastronómico muito apurado para um prato de iscas, rins, moelas, burras... 92 pts

Titan of Douro branco 2017


Voltamos ao Douro, ali no Sopé da Serra do Reboredo (1.000 metros de altitude), em Paredes da Beira, no ponto de maior altitude do Douro e nas encostas do Rio Távora, é onde nasce este Titan of Douro. Criado a partir das castas Rabigato, Gouveio e Verdelho é um branco com grande robustez, mesmo alguma austeridade onde a fruta (citrinos, pêra e alperce) se mostra bem sólida e madura. As estevas em flor e a resina das mesmas marcam o fundo, austeridade vincada num corpo muito compacto a pedir pratos de bom tempero como uma caldeirada à fragateiro. Preço a rondar os 8,90€ em garrafeira. 91 pts

20 abril 2019

Elpídio Superior Bruto 2013


Novidade das Caves do Solar de São Domingos (Bairrada) este espumante Elpídio Superior Bruto 2013 com base nas castas Arinto e Chardonnay. Espumante com preço a rondar os 12,50€, apresenta um conjunto elegante onde a fruta de pomar se mistura com tons citrinos, ligeira tosta no fundo a dar sensação de cremosidade. Muito prazer no copo num espumante atraente e que agrada muito na prova que dá, ligeira a mousse na boca que se esbate na frescura citrina bem marcante no final. Bom para acompanhar uns simples pastéis de bacalhau acabados de fazer.  90 pts
 
Powered By Blogger Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-Noncommercial-No Derivative Works 2.5 Portugal License.