Copo de 3: Um Copo de 3 de Touriga Nacional

13 Dezembro 2005

Um Copo de 3 de Touriga Nacional

Novo mês, e nova casta, neste caso é acabar o ano com a prata da casa, a Touriga Nacional.
Dentro do enorme número de castas que por cá temos, o desprezo por algumas, quase levou ao desaparecimento de algumas variedades. Uma das castas que estiveram quase mortas, por ser pouco produtiva, foi a Touriga Nacional, neste momento é a casta da moda, aparecendo em todas as regiões de Portugal, e começando a despertar curiosidade no estrangeiro.


Touriga Nacional a Rainha das Castas Lusas


A Touriga Nacional é sem dúvida o nosso melhor exemplar, caracteristica da composição do Vinho do Porto e tintos do Douro, também conhecida no Dão, fez à poucos anos uma viagem para o resto do País, instala-se principalmente no Alentejo onde dá vinhos de grande qualidade, colocando os mesmos entre os melhores de Portugal. A Touriga Nacional que neste momento já começa a despontar interesse de produtores por este mundo fora, reconhecendo o alto potencial desta casta para vinhos de topo. Interessante também que sejam os vinhos estrangeiros com a casta Touriga Nacional que comecem a despertar o interesse dos consumidores estrangeiros e de críticos por este mundo, quando a grande maioria dos nossos vinhos não consegue tal feito, mas até é bom, pois quando a casta ganhar a fama que merece, será muito bom para nós, temos é de continuar a trabalhar a alto nível para estar prontos para tal.
SINONÍMIA
Dão – Touriga Nacional - Tourigão – Tourigo Antigo
Bairrada – Tourigo do Dão
Douro – Touriga Nacional – Touriga Fina
Ribatejo Oeste – Touriga Nacional
Alentejo - Touriga Nacional
Setúbal - Touriga Nacional

Origens da Touriga Nacional

Embora tenha sua fama associada ao Vinho do Porto e aos tintos de mesa do Douro, um certo mistério cerca as origens da Touriga Nacional. É difícil precisar em qual região vinícola portuguesa ela nasceu. Alguns estudiosos dizem que ela provém do Dão, apoiando essa afirmação em antigos relatos. Em 1900 Cincinnato da Costa escreveu, em seu livro "O Portugal Vinícola", que no século XIX 90% dos vinhedos do Dão eram plantados com esta uva - ali chamada de Tourigo ou pelos sinónimos Mortágua, Preto Mortágua ou Elvatoiriga. Os vinhos de Touriga são maciços de cor, apresentando-se em certos anos completamente opacosNa região do Dão a Touriga Nacional é conhecida, normalmente, por Tourigo, embora se lhe reconheçam vários sinónimos, tais como Preto Mortágua, Mortágua, Elvatoiriga ou Tourigo Antigo. Este facto é relevante, pois a existência de uma pequena aldeia, entre Tondela e Santa Comba Dão, com o nome de Tourigo constitui um argumento importante para considerar esta casta originária do Dão. Também não deixam de ser significativos os sinónimos Mortágua e Preto Mortágua, surgidos a partir do topónimo da vila vizinha de Santa Comba Dão. Em contrapartida no Douro não se lhe conhece nenhum sinónimo com conotação geográfica.
Seja como for, é cultivada nas duas regiões desde um passado longínquo. Enigmático, entretanto, é o declínio da Touriga no Dão depois da tragédia provocada pela Filoxera, a praga que devastou quase todos os vinhedos europeus no final do século XIX.. Ao contrário de outras áreas, as vinhas ali não foram replantadas com a casta que predominava antes. Acredita-se que a espécie perdeu o vigor, por falta de adequação dos porta-enxertos americanos, necessários para escapar dos efeitos mortais da doença. Com as inovações tecnológicas actuais, especialmente na selecção de clones de Touriga Nacional (mais seleccionados), alguns porta-enxertos são mais adequados à pujança da casta, o cultivo da vinha está ligeiramente melhor, embora tenha desaparecido quase totalmente a calda bordalesa, os meios tecnológicos evoluíram, os processos microbiológicos da vinificação são bem conhecidos e os fenómenos químicos do envelhecimento começaram a ser desvendados. É certo que continuamos a saber muito pouco de fisiologia da videira e de bioquímica da maturação, continuamos muito dependentes dos caprichos do tempo, só fazemos grandes vinhos quando as produções são baixas ou muito baixas, mas avançámos muito em relação ao que se fazia há vinte anos atrás.E os vinhos de Touriga Nacional passaram a ser bebíveis muito mais cedo. Mudaram muito no estilo, mais fáceis, mais elegantes, mais limpos de aroma, provavelmente com menor longevidade e, também, mais iguais aos outros, por força do estágio em barricas de carvalho. É este estilo de vinho que fez da casta um verdadeiro fenómeno de popularidade, entre nós, nos finais dos anos noventa e até aos dias de hoje.

A uva e o vinho

Os vinhos se bem feitos, são inconfundíveis, qualquer que seja a região onde se produzam. Os Tourigas Nacionais do Dão, do Douro, da Estremadura, do Alentejo têm, quando bem feitos, a elegância, a robustez e o equilíbrio como denominadores comuns, embora sejam claramente distintos entre si, como já foi dito, são maciços de cor, apresentando-se, em certos anos, verdadeiramente opacos; os aromas primários, inconfundíveis, fazem lembrar frutos pretos, como as amoras, os mirtilos e, por vezes, os abrunhos, onde sobressaem as notas de caruma de pinheiro e de flores silvestres, como a esteva e, em anos excepcionais, o rosmaninho. O estágio em madeira de carvalho, e não em madeira de castanho como era tradição no Dão, valoriza as suas notas aromáticas, conferindo-lhes maior complexidade, e acelera-lhes o arredondamento dos taninos, tornando-os bebíveis ao fim de um ano ou pouco mais. O exemplo mais simbólico é, sem dúvida, o Porto vintage, cujo perfil aromático, tão intenso quanto elegante, reflecte toda a sua individualidade.
É uma uva que exige paciência do produtor.É também uma casta que tem um processo de maturação lento, as virtudes só se vão acumulando lentamente nos bagos. A cor, por exemplo, é muito lenta a surgir no bago mas, no final, ultrapassa as outras castas em quantidade de matéria corante.A vindima, idealmente feita quando a uva apresenta um grau provável de 13, 5º, acaba sempre por se arrastar até bem dentro do mês de Outubro.No que respeita ao trabalho de adega, a Touriga apresenta muita cor, é muito regular na produção ou, como se diz na linguagem popular, não é aneira. Nos casos em que se apresenta com pouca cor desenvolve aromas de bergamota, o cheiro a chá Earl Grey. Como é muito rica em compostos fenólicos é uma casta que beneficia com macerações pós-fermentativas, ficando assim mais rica de aromas. Com tintos, bem estruturados, suportam bravamente o estágio em barrica de carvalho que se pode prolongar por muito tempo (Este estágio mais prolongado pode mesmo ser determinante para que se libertem os aromas da casta) e beneficiam com o envelhecimento na garrafaA Touriga tem, para o enólogo e para o consumidor, a desvantagem de ter tendência a desenvolver fenóis voláteis, o conhecido cheiro de suor de cavalo. A solução para o problema ainda está em estudo.




DESCRIÇÃO MORFOLÓGICA

RAMO JOVEM
Ápice vegetativo aberto, com média pigmentação antociânica na orla e média pilosidade aplicada.

FOLHAS JOVENS
Amarelas-acobreadas e com média pigmentação antociânica. Página inferior com média pilosidade aplicada entre e sobre as nervuras.

PÂMPANOS
Com estrias vermelhas nas 2 faces dos entre-nós. Nós verdes na face ventral e estriados de vermelho na dorsal. Olhos com média pigmentação antociânica.

GAVINHAS
Distribuídas em 2 ou menos nós sucessivos e médias.

FLOR
Hermafrodita.

VIGOR
Forte.

PORTE
Horizontal.

ÉPOCA DO PINTOR
Média.

FOLHA ADULTA
Apresenta um grande polimorfismo, sendo a mais característica, pequena, pentagonal e quinquelobada. Página superior verde médio, plana, com fraco empolamento, enrugada e ondulação generalizada. Dentes curtos, rectilíneos, e convexo-côncavo. Seio peciolar aberto com base em V. Seios laterais superiores abertos com base um U. Página inferior com fraca pilosidade aplicada e média erecta entre as nervuras e sobre estas, fraca pilosidade aplicada. Pecíolo mais curto que a nervura principal mediana e com média pilosidade aplicada.

CACHO
Pequeno e compacto. Pedúnculo médio e com forte lenhificação.

BAGO
Pequeno, não uniforme, arredondado e com secção transversal regular. Epiderme negra-azul com forte pruína. Película medianamente espessa e hilo pouco aparente. Polpa não corada, rija, suculenta e de sabor especial. Pedicelo curto e de difícil separação.

GRAÍNHAS
Com forte dureza do tegumento.

SARMENTO
Achatado, estriado-costado, arroxeado e glabro.


Info retirada de:
http://winexperts.terra.com.br/arquivos/touriga.html
Revista dos Vinhos
Jornal Público

8 comentários:

Anónimo disse...

O que são pâmpanos?

Copo de 3 disse...

Não sendo eu um especialista em botânica, aqui fica a possível explicação:

Os pâmpanos são os sarmentos (o sarmento são os ramos que saiem dos braços da videira) sem uvas, segundo o seu estado de crescimento também se lhes pode chamar de filhos ou netos da cepa.

Soledade disse...

A Touriga Nacional é, de facto, um orgulho para Portugal. Uma casta que, mesmo em vinho varietal, isolada, apresenta uma qualidade excepcional, uma belíssima estrutura e, normalmente, bem demonstrativa do terroir. Com alguma experiência podemos distinguir a Touriga do Dão da do Douro ou do Alentejo. São diferentes. Aconselho que provem o Quinta da Pellada 100% (Dão 20-22€) e o Dolium Selectio T. Nacional de Évora, desenhado por Paulo Laureano, 13-15€.

Copo de 3 disse...

Caro Soledade, como Apreciador aprecio bastante os seus comentários, as suas recomendações vão tentar ser seguidas, pelo menos o Quinta da Pellada Touriga Nacional penso ser um dos vinhos a ser provado, além de ir provar vários exemplos de Touriga Nacional, e de diferentes anos. É apenas uma questão de estar atento, as provas começam para a semana.

Saudações do Copo de 3

Rui Sabrosa disse...

Queria começar por o felicitar pela enorme qualidade do seu blog, pois aqui encontrei varias respostas para as minhas duvidas, ainda bem que existem pessoas que tem vontade de "ensinar" e ou ajudar a obter um conhecimento mais profundo sobre estes temas.Irei ser apartir de ontem um visitante assíduo deste blog e desejo-lhe muito sucesso e se esse sucesso depender de mim será garantido pois as boas iniciativas devem ser realçadas e apoiadas.
Boa sorte para o futuro.

Micas10 disse...

Há muita Touriga Nacional na região do Dão

Ver imagens da vindima em
http://antoniopovinho.blogspot.com

António Vicente disse...

Caro João Pedro Carvalho,

Depois de já ter comentado no seu blog - como provar o vinho - Parte 3, queria pedir-lhe autorização para copiar este seu artigo para o meu blog, claro mencionando sempre o nome do autor e respectivo blog. Não quero fazer plágio, nem ir contra os direitos de autor como é evidente. Gostaria também de saber se houver outros artigos de informação / investigação que constem no seu blog do meu interesse, visto eu ser um produtor de uvas no douro, possa ou não copiar para meu blog. Identificando sempre o seu autor, como é evidente.
Cumptos,
Sucessos para o seu trabalho.
www.quintadasparcelas.blogs.sapo.pt
António Vicente

Copo de 3 disse...

Esteja à sua vontade... caro António Vicente.

Mas não se esqueça também de colocar as minhas fontes de consulta:

http://winexperts.terra.com.br/arquivos/touriga.html
Revista dos Vinhos
Jornal Público

 
Powered By Blogger Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-Noncommercial-No Derivative Works 2.5 Portugal License.