Copo de 3: Montes Claros Reserva 2006

26 setembro 2008

Montes Claros Reserva 2006

Após toda a tinta que correu sobre o Montes Claros Reserva 2004, principalmente depois dos 18 valores atribuídos pela revista Blue Wine, a correria às prateleiras foi imediata, a procura aumentou e toda a gente queria ter e provar o Montes Claros que tinha tido 18 valores.
É certo que nessa mesma casa, a fasquia ficou muito alta, abriu-se talvez um precedente perigoso, pois se o Montes Claros 2004 teve 18 valores, então e se a nova versão do Montes Claros estiver melhor ou igual ? Neste caso será de esperar que no mesmo local apareçam de novo os 18 valores para a nova colheita.
A bem da verdade, é que depois de tanto falar, ficou tudo na expectavita de como seria a próxima colheita, seria melhor ou pior, será que iria manter o mesmo nível ? Será que o 2004 foi obra do acaso ?
Recentemente foi lançado no mercado a nova colheita, o Montes Claros Reserva tinto 2006, e pela prova que deu, posso dizer que fico à espera e em conformidade com a minha anterior avaliação do 2004, com os respectivos 18 valores da dita revista.

Montes Claros Reserva tinto 2006
Castas: Aragonez, Trincadeira, Cabernet Sauvignon e Tinta Caiada - 12 meses barrica de 2º e 3º ano, de carvalho francês e americano, mais 6 meses em garrafa. - 14% Vol.

Tonalidade granada escuro de concentração média/alta.

Nariz de boa intensidade, a revelar fruta bem madura com toque especiado, alguma austeridade no toque químico que surge inicialmente e que se dissipa com o tempo. Complementam o conjunto a baunilha fina com toque de geleia, canela, cacau morno, vegetal seco (ramo de cheiros) e alguma folha de tabaco. Em fundo uma certeza de que o balsâmico por lá andava, tudo isto com uma boa complexidade, sem ser exageradamente carregado nas quantidades, mostra e sabe mostrar, de maneira elegante, serena e concisa.

Boca a mostrar um vinho bem estruturado, médio de corpo, com a fruta bem presente na componente de frutos negros bem maduros, evoluindo para alguma compota, vegetal seco, cacau e baunilha. Especiarias e balsâmico completam um conjunto, que mostra uma passagem de boca com boa dose de frescura, sensato na espacialidade, afinado e redondo, pronto a dar prazer a quem dele se aproximar neste momento, com final de boca de persistência média/alta.

Um vinho que está pronto a consumir quando sai para o mercado, mas que não vira cara a uns anos de cave. Tem a sua dose de elegância muito convidativa, pleno de harmonia e encantos, com uma boa dose de complexidade.
São 100.000 garrafas com preço a rondar os 5,30€ na loja da Cooperativa de Borba, que novamente o colocam como uma belíssima relação preço qualidade. Comparativamente com a versão 2004, apresenta-se menos guloso e com um pouco mais de seriedade nos argumentos que disponibiliza.
16

2 comentários:

Anónimo disse...

A revista Blue Wine deu à versão de 2004 do Montes Claros 18 valores. Algo exagerado, não?
(Filipe Sousa)

Copo de 3 disse...

18 valores são atribuídos a vinhos onde a complexidade e toda a sua envolvência são muito acima da média. São vinhos raros, são vinhos quase sempre caros.
Por muito bom que seja o Montes Claros Reserva 2004, nunca pela prova que dá e deu, poderá justificar um 18 valores, tendo em conta na mesma linha vinhos como Batuta, Charme ou até mesmo Barca Velha.

 
Powered By Blogger Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-Noncommercial-No Derivative Works 2.5 Portugal License.